Aversão ao risco no exterior pressiona dólar para baixo

Pesaram a tensão com a Ucrânia e a expectativa pelo resultado do referendo na Crimeia, no domingo, 16

Fernando Travaglini e Silvana Rocha, da Agência Estado, Texto atualizado às 11h34

14 de março de 2014 | 10h13

SÃO PAULO - A aversão ao risco internacional voltou a subir na manhã desta sexta-feira, 14, em meio à tensão com a Ucrânia e a expectativa pelo resultado do referendo na Crimeia, no domingo, 16. No exterior, o dólar caía ante o euro e o iene e mostrava sinais mistos em relação a moedas ligadas a commodities.

Aqui, a moeda norte-americana abriu em queda no mercado futuro, mas logo virou e subiu, determinando uma abertura estável do dólar à vista, cotado a R$ 2,3650 no balcão. Em seguida, às 9h32, a moeda à vista já estava na máxima de R$ 2,3730 (+0,34%), em linha com as perdas de algumas divisas ligadas a commodities no exterior e em meio à piora há pouco das bolsas em Nova York.

Por volta de 10h43, a cotação do dólar à vista virou e passou a cair.

O dólar à vista acelerou a queda e registrou nova mínima, por volta de 11h09, a R$ 2,3570 (-0,34%) no balcão, com fluxo positivo pela via comercial e os dados norte-americanos abaixo do esperado adicionando dúvidas sobre a reunião de política monetária do Federal Reserve na próxima semana, afirmou o gerente de câmbio da Correparti, João Paulo de Gracia Corrêa.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.