Balanços ajudam bolsas europeias a fechar em alta

Empresas como as holandesas Akzo Nobel  e a Royal Phillips mostraram bons resultados, elevando, assim, o otimismo entre investidores

21 de outubro de 2013 | 14h38

As bolsas europeias tiveram a oitava sessão seguida de alta nesta segunda-feira, 21, impulsionadas principalmente por resultados corporativos trimestrais bons. Um indicador forte sobre a economia dos Estados Unidos contribuiu para os ganhos. O índice pan-europeu Stoxx Europe 600 subiu 0,3%, para 319,54 pontos.

A companhia holandesa do setor químico Akzo Nobel teve lucro no terceiro trimestre deste ano, depois de um prejuízo no mesmo período do ano passado. A também holandesa Royal Philips, por sua vez, informou que seu lucro mais do que dobrou na mesma comparação. Akzo Nobel fechou em alta de 6,62% e Philips avançou 5,32% na Bolsa de Amsterdã. Outro fator positivo saiu dos EUA, onde as vendas de moradias usadas caíram 1,9% em setembro ante agosto, bem menos do que a queda de 3,3% prevista pelos economistas.

Em Londres, o índice FTSE-100 subiu 0,48% e fechou na máxima, aos 6.654,20 pontos. As mineradoras deram força ao índice, apoiadas pelo aumento nos preços dos metais. Rio Tinto avançou 0,68% e BHP Billiton ganhou 0,64%. Por outro lado, os bancos foram pressionados pelos relatos de que o JPMorgan e o Bank of America estão perto de um acordo multibilionário para encerrar processos abertos pela Agência Federal de Financiamento Imobiliário (FHFA, na sigla em inglês) dos EUA. Royal Bank of Scotland, que foi um dos maiores vendedores de títulos lastreados em hipotecas para as agências imobiliárias dos EUA, teve queda de 5,26%.

A Bolsa de Frankfurt fechou com o índice DAX praticamente estável, com leve alta de 0,02%, para 8.867,22 pontos. SAP liderou os ganhos com +4,8%, depois de abrir a temporada de balanços na Alemanha com uma melhora na margem operacional no terceiro trimestre deste ano e confirmando suas projeções de lucro para o ano. Deutsche Bank também foi afetado pelas notícias de que bancos norte-americanos vão pagar pesadas multas para encerrar processos judiciais e terminou a sessão com baixa de 1,48%.

O índice Ibex-35, da Bolsa de Madri, avançou 0,36%, para 10.037,80 pontos. As ações dos bancos espanhóis mostraram tendências divergentes. Banco Popular e Caixabank tiveram alta de 3,3% e 1,2%, respectivamente, mas Santander e BBVA caíram 0,4% e 0,1%, respectivamente, pressionados por realização de lucros.

Em Paris o CAC-40 caiu 0,21%, para 4.276,92 pontos. ArcelorMittal subiu 2,8%, em um dos melhores desempenhos do dia entre as ações integrantes do índice, depois de ter a recomendação para suas ações elevada pelo Deutsche Bank. Alstom avançou 3,7% e Vallourec ganhou 2,4%. Já Veolia, que teve a recomendação para suas ações rebaixada, recuou 1,8%.

Milão teve leve queda de 0,04% no índice FTSE MIB, para 19.262,69 pontos. Unicredit subiu 0,2% e Intesa Sanpaolo avançou 0,4%. Alguns participantes do mercado acreditam em um fortalecimento do índice adiante. "Embora ele esteja oscilando dentro de uma faixa estreita, provavelmente vai tentar romper a marca de 19.300 pontos em algum momento nesta semana", comentou um operador.

A maior alta entre as principais bolsas da Europa foi apresentada pelo volátil índice PSI-20, de Lisboa, que subiu 0,87%, para 6.401,31 pontos. Essa foi a nona sessão de ganhos e, como destacou o site português Económico, com isso o índice teve o mais longo ciclo de avanços desde janeiro de 2007. Portugal Telecom subiu 0,93% e Galp Energia ganhou 1,22%.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresEuropabalanços

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.