Balanços positivos impulsionam alta das bolsas europeias

Mercado também reage ao anúncio do acordo de compra da companhia de biotecnologia norte-americana Genzyme pela gigante farmacêutica francesa Sanofi-Aventis

Danielle Chaves, da Agência Estado,

16 de fevereiro de 2011 | 09h27

Notícias corporativas colaboram para a alta das bolsas europeias nesta quarta-feira. Além do anúncio do acordo de compra da companhia de biotecnologia norte-americana Genzyme pela gigante farmacêutica francesa Sanofi-Aventis, alguns balanços vieram positivos, como o do Société Générale, que impulsiona ações do setor bancário na Europa.

O lucro líquido do SocGen quase quadruplicou no quarto trimestre do ano passado, para 874 milhões de euros, em comparação com 221 milhões de euros no mesmo período do ano anterior. O resultado ficou acima da média das estimativas dos analistas ouvidos pela Dow Jones, que era de 868 milhões de euros. A receita do segundo maior banco de capital aberto da França, atrás do BNP Paribas, cresceu 34%, para 6,85 bilhões de euros, de 5,13 bilhões de euros. Às 9h20 (de Brasília), as ações do SocGen subiam 4,26% em Paris.

Na Holanda, a cervejaria Heineken - a terceira maior do mundo, atrás da Anheuser-Busch InBev e da SABMiller - tinha alta de 4,39% em Amsterdã depois de informar que seu lucro líquido aumentou 41%, para 1,4 bilhão de euros, em todo o ano de 2010, embora o volume vendido tenha caído 1,7%. Se incluída a aquisição da mexicana Femsa Cerveza, o volume cresceu 41%.

A petroleira italiana Eni também apresentou bons resultados, com um aumento no lucro líquido para 548 milhões de euros no quarto trimestre do ano passado, de 391 milhões de euros um ano antes, enquanto as vendas líquidas cresceram 27%, para 27,95 bilhões de euros. O lucro líquido ajustado, que é bastante observado porque exclui efeitos voláteis dos estoques, subiu 24%, para 1,72 bilhão de euros, de 1,39 bilhão de euros, ficando acima das estimativas de 1,57 bilhão de euros. No entanto, as ações da Eni caíam 0,54% em Milão, depois de subirem cerca de 12% nos últimos três meses.

No setor automotivo, a alemã Daimler saiu de prejuízo para lucro líquido de 1,14 bilhão de euros no quarto trimestre do ano passado, ajudada pela demanda na marca Mercedez-Benz. Os papéis da companhia, porém, caíam 3,46% em Frankfurt, já que os analistas esperavam lucro de 1,4 bilhão de euros. A Daimler afirmou esperar que os ganhos antes de juros e impostos (Ebit) cresçam significativamente neste ano, alimentado por um número crescente de compradores chineses e pela volta dos consumidores norte-americanos às lojas.

Às 9h31, as bolsas de Londres (0,50%), Paris (0,72%) e Frankfurt (0,14%) subiam. O euro era negociado a US$ 1,3529 e o iene a 83,69. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.