Yuri Kadobnov/AFP
Yuri Kadobnov/AFP

Banco Central da Rússia anuncia medidas contra a crise do rublo

Órgão aumentou prazo para moratória sobre empréstimos e permitiu a bancos trabalharem com as taxas de câmbio do último trimestre

Estadão Conteúdo

17 Dezembro 2014 | 14h29

O Banco Central da Rússia anunciou na quarta-feira, 17, medidas para flexibilizar a regulamentação para bancos na tentativa de estabilizar o sistema financeiro nacional, em meio a uma das maiores quedas do rublo na história do país.

O banco central disse que está aumentando para dois anos, de um ano anteriormente, a moratória sobre provisões adicionais para empréstimos a tomadores de crédito com dificuldades, em caso de força maior. A entidade vai permitir que os bancos não façam provisão adicional para empréstimos reestruturados, devido ao movimento das taxas de câmbio.

Para fortalecer os balanços dos bancos, o Banco da Rússia aplicou uma moratória temporária ao reconhecer reavaliações negativas de carteiras de ativos.

A entidade também está permitindo que os bancos utilizem a taxa de câmbio do último trimestre ao liquidar "reivindicações prudenciais de operações de câmbio", disse o Banco da Rússia.

Para aumentar a liquidez de moeda estrangeira no sistema, o Banco da Rússia também vai começar a fornecer empréstimos garantidos por ativos "de fora do mercado" e garantidos por empréstimos em moeda estrangeira.

O regulador disse que, junto com o governo, que vai ajudar os bancos a aumentarem o seu capital em 2015. 

Ataque especulativo. Nesta terça-feira, 16, a moeda sofreu desvalorização de mais de 30% ante o dólar após decisão do governo de aumentar a taxa básica de juros em 6,5 pontos porcentuais, de 10,5% para 17%. A medida foi tomada no sentido de conter a queda da divisa, já penalizada pela queda do preço do petróleo no mercado internacional e pelas sanções impostas à Rússia pela crise na Ucrânia.

Nesta quarta-feira, 17, o Instituto Internacional de Finanças (IIF), com sede em Washington, afirmou que o país corre o risco de sofrer uma corrida bancária caso não consiga conter a crise do rublo. Medidas como controle de capitais e do câmbio podem fazer com que o país deixe de integrar o índice de ações de Mercados Emergentes do MSCI e passe a ter maior dificuldade para acessar capital estrangeiro. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.