Banco do Brasil tem o maior lucro entre os bancos

O Banco do Brasil encerrou 2006 com o maior lucro entre os bancos brasileiros. Os ganhos da instituição alcançaram R$ 6,044 bilhões, o que representa um avanço de 45,5% sobre o exercício de 2005. A comparação com os principais concorrentes privados, porém, é distorcida por duas razões.Em primeiro lugar, porque em 2006 Bradesco, Itaú e Unibanco amortizaram integralmente ágios relativos a aquisições, o que reduziu seus lucros. Em segundo, porque o próprio BB foi beneficiado por receitas tributárias extraordinárias decorrentes de ações judiciais ganhas na Justiça contra a Receita Federal.No quarto trimestre, o lucro do BB alcançou R$ 1,248 bilhão, com aumento de 69,4% sobre o mesmo período do ano anterior. O resultado anual representou um retorno sobre o patrimônio de 32,1%.A carteira de crédito avançou 30,8%, acima da média do mercado, que foi de 20,8%. O índice de eficiência foi de 47,5% e o de cobertura de despesas com pessoal atingiu 112,9% O BB encerrou 2006 com patrimônio líquido de R$ 20,8 bilhões, mostrando evolução de 23,2%. No fim do período, o índice de Basiléia chegou a 17,3%, ante 17,1% de 2005. Em dezembro do ano passado, os ativos totais somavam R$ 296,356 bilhões, ante R$ 252,977 bilhões em dezembro de 2005.O índice de inadimplência do Banco do Brasil para operações com mais de 60 dias de atraso na carteira encerrou o ano passado em 2,9%, o que indica uma queda em relação aos 4% de 2005. Nas operações com mais de 90 dias de atraso, a redução foi de 3,4% para 2,5%, na mesma base de comparação.O resultado do BB contraria a tendência de alta na inadimplência verificada no sistema financeiro em 2006. No relatório que acompanha o balanço, a instituição atribui o desempenho a medidas de gestão focadas no portfólio de operações baixadas em perdas, que foram intensificadas e atingiram recuperação no valor de R$ 1,2 bilhão no ano passado. As operações de crédito classificadas nos níveis de risco AA, A, B e C (os mais seguros) responderam por 91% da carteira do Banco do Brasil, acima do nível de 90,6% do mercado em 2006. O presidente do Banco do Brasil, Antônio Francisco Lima Neto, prevê crescimento de 30% na carteira de crédito do banco este ano. Segundo o executivo, a expansão esperada para os empréstimos a pessoas físicas é de 35%.A estratégia do BB deverá se manter na linha de crédito consignado, que no ano passado apresentou evolução de 117,7%, para R$ 8,3 bilhões, segundo Lima Neto. Para 2007, a previsão é de que essa modalidade de empréstimo encerre o ano entre R$ 12 bilhões e R$ 13 bilhões.No segmento de pessoa jurídica, o crescimento da carteira previsto é de 25%. O plano do Banco do Brasil nessa área inclui o fortalecimento das linhas de recebíveis, como antecipação de cheques e recebíveis com cartões de crédito.Lima Neto espera que os indicadores de inadimplência da instituição se situem abaixo dos registrados em 2006. Os pagamentos em atraso há mais de 60 dias recuaram de 4%, em 2005, para 2,9% no fim do ano passado, ao contrário da tendência de alta verificada no mercado. Especificamente nas linhas para pessoa física, as operações em atraso há mais de 90 dias caíram de 8,5% para 6,3%, na mesma base de comparação.O presidente do BB atribuiu o melhor desempenho da instituição em relação ao setor ao processo de revisão no processo de recuperação de crédito e ao desenvolvimento de modelos de análise de concessão de financiamentos. ?Posso garantir que estamos à frente do mercado nesse item?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.