Banco Pátria trabalha com dólar a R$ 1,90 no fim do ano

A taxa de câmbio tende a se derreter para fechar o ano cotado a R$ 1,90 por dólar, segundo previsão feita pelo economista-chefe do Banco Pátria, Luis Fernando Lopes. Para ele, o câmbio será a variável de controle de todo o cenário macroeconômico este ano. Dentro deste contexto, diz Lopes, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) deverá reduzir a taxa básica de juros agora em março - a reunião ocorrerá nos dias 7 e 8 -, em 0,75 ponto porcentual, de atual 17,25% ao ano para 16,50. "O que vai determinar o consenso é o câmbio para baixo puxando junto a inflação. Mas mais para frente porque no Copom de março o câmbio ainda estará acima de R$ 2,00", o chefe do Departamento Econômico do Banco Pátria. De acordo com Lopes, quando o mercado colocar no preço um câmbio abaixo dos R$ 2,00, as expectativas de inflação vão desabar e o BC poderá ampliar a magnitude de cortes da Selic. Isso poderá acontecer no segundo trimestre, quando os cortes da Selic deverão saltar de 0,75 ponto porcentual para 1 ponto. "Mais uma vez o mercado vai ter que admitir que errou nas previsões para o câmbio, como vem ocorrendo há 36 meses", reforça Lopes. Na avaliação do economista, o desabamento do dólar vai compensar todo o ruído que o álcool e a gasolina farão na inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.