Bancos da Itália concentram mais reprovações

A Itália, Grécia e Chipre concentram a maior parte das reprovações no teste de estreasse bancário. Ao todo, nove instituições italianas, três da Grécia e outras três cipriotas foram reprovadas, entre os 25 bancos que não conseguiram passar pelas simulações de crise.

AE, Estadão Conteúdo

26 de outubro de 2014 | 10h43

Na Itália, os nove bancos mostraram com déficit de capital de quase 10 bilhões de euros nos testes. No entanto, cinco dos nove bancos já conseguiram preencher a lacuna de capital. Os outros quatro têm duas semanas para apresentar os planos aos reguladores para explicar como pretendem solucionar o problema.

A instituição mais problemática do país é o Banca Monte dei Paschi, terceiro maior banco da Itália, que precisa levantar 2,11 bilhões de euros em capital, incluindo fundos para pagar parte de um empréstimo do governo. Os dois maiores bancos da Itália, UniCredit SpA e Intesa Sanpaolo Spa, foram aprovados.

Espanha

O pequeno credor espanhol Liberbank foi o único dos 16 bancos do país a ser reprovado pelos reguladores europeus, no entanto a instituição já arrecadou o capital suficiente para fechar seu déficit.

O Banco Central Europeu (BCE) disse que sua avaliação da qualidade de ativos mostrou que o Banco Santander, o maior banco da zona do euro em valor de mercado, teve um colchão de capital de base de 10,34%. Os credores precisavam de um colchão acima de 8% dos ativos ponderados pelo risco para passar no teste.

No cenário "adverso", que testa a força de balanços dos bancos em meio a um ambiente de deterioração econômica hipotética, o Santander tinha uma proporção de capital de 8,95%, disse o BCE. Os bancos tiveram de manter uma margem de pelo menos 5,5% do capital no cenário adverso.

Portugal

O Banco Comercial Português, o maior banco de Portugal por capitalização de mercado, estava entre os 25 bancos da zona do euro que não foram aprovados, embora já tenha tomado medidas suficientes neste ano para reforçar o balanço patrimonial.

Três credores portuguesas - Banco Comercial Português, o Banco BPI e o Caixa Geral de Depósitos - foram testados pelo Banco Central Europeu (BCE), que analisou a situação financeira de 130 bancos antes de assumir a supervisão bancária em novembro. O Novo Banco, que resultou do desmembramento do Banco Espírito Santo (BES) em agosto, não foi submetido ao teste.

Confira a lista dos bancos que foram reprovados no teste de estresse:

Banca Carige (Itália)

Monte dei Paschi di Siena (Itália)

Veneto Banca (Itália)

Banco Popolare (Itália)

Banca Popolare di Milano (Itália)

Banca Popolare di Vicenza (Itália)

Credito Valtellinese (Itália)

Banca Popolare di Sondrio (Itália)

Banca Popolare dell''Emilia Romagna (Itália)

Cooperative Central Bank (Chipre)

Bank of Cyprus (Chipre)

Hellenic Bank (Chipre)

Eurobank (Grécia)

National Bank of Greece (Grécia)

Piraeus Bank (Grécia)

Nova Ljubljanska banka (Eslovênia)

Nova Kreditna Banka Maribor (Eslovênia)

Dexia (Bélgica)

AXA Bank Europe (Bélgica)

Banco Comercial Português (Portugal)

Oesterreichischer Volksbanken-Verbund (Áustria)

permanent TSB (Irlanda)

Münchener Hypothekenbank (Alemanha)

C.R.H. - Caisse de Refinancement de l?Hábitat (França)

Liberbank (Espanha)

(Lucas Hirata, com informações da Dow Jones - lucas.hirata@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:
Europabancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.