Bancos puxam alta da Bovespa em dia de fraco volume

A bolsa paulista registra fraco volume hoje, com investidores em compasso de espera, de olho na série de eventos econômicos no Brasil e exterior - ata do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), reuniões do Conselho Monetário Nacional (CMN) e do Comitê de Política Monetária (Copom), índice de preços dos gastos com consumo (PCE), e relatório de emprego nos EUA (payroll). O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, acelerou a alta por volta das 16 horas, para 1,16%, aos 36.375 pontos, puxada pela recuperação do setor bancário e pelo avanço das bolsas americanas. Petrobras PN (-0,98%) segue na contramão do mercado, mas acompanha a queda do petróleo. As elétricas também integram a lista de baixas. Vivo PN (+4,57%) lidera as altas do índice. Operadores citam a informação dada pela empresa de que a implantação da rede GSM custará cerca de R$ 1,080 bilhão - aproximadamente um terço da expectativa dos especialistas, o que surpreendeu bastante o mercado, conforme conta a repórter Graziella Valenti. Este valor será gasto, principalmente, neste ano e em 2007. Em seguida, aparecem os bancos: Bradesco PN (+3,03%), Itaú PN (+4,04%) e Unibanco Unit (+2,85%). O setor esteve entre as principais baixas da semana passada, quando o Ibovespa recuou 4,2%. As especulações em torno das medidas para reduzir o spread bancário, que serão anunciadas amanhã pelo CMN, provocaram o recuo dos papéis, que agora tentam se recuperar em um dia de poucos negócios. Cesp PNA (-1,53%) lidera as perdas do setor elétrico, mas com pouca liquidez, visto que os investidores estão migrando para Cesp PNB (+0,26%), que deverá continuar na carteira do Ibovespa que vigora a partir de setembro. Light ON (-1,49%) e Eletropaulo PNA (-0,92%) também mostram queda mais expressiva. A Eletropaulo anunciou na sexta-feira que lançará GDRs no exterior. Cada GDR será equivalente a 500 ações PNB. A operação integra o processo de reestruturação da companhia, que prevê também uma oferta secundária de R$ 1,3 bilhão em ações PNB e GDR. A lista de destaques do dia traz ainda Vale PNA (+2,13%) e Usiminas PNA (-0,24%). Os papéis reagem a uma notícia sobre possíveis mudanças no controle da siderúrgica, que seriam definidas em reunião do conselho da empresa na quarta-feira. Pela proposta, a mineradora pode ficar com 10% do bloco de controle da Usiminas e, com isso, teria a possibilidade de vender os 13% restantes em Bolsa, ou oferecer aos sócios. Os recursos da venda podem ajudar a Vale a reduzir sua alavancagem, especialmente em uma eventual compra da mineradora canadense Inco. Por isso, as ações da companhia sobem, corrigindo perdas recentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.