Banrisul fará capitalização via emissão de ações

O Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) fará um aumento de capital este ano, provavelmente via emissão de ações preferenciais. O presidente do Banrisul, Fernando Lemos, não adiantou detalhes da operação, que terá seu modelo definido por um grupo de trabalho nomeado pela governadora Yeda Crusius (PSDB). O objetivo é adequar a captação de recursos a uma realidade de queda dos juros e permitir a ampliação dos negócios do banco, explicou Lemos.Entre os clientes do Banrisul estão 70% da população com contas bancárias do Estado, ressaltou Lemos, o que permite à instituição crescer na oferta de crédito em sua própria base. A idéia da capitalização também está baseada no momento favorável do mercado, na avaliação do banco. O valor da emissão será discutido com instituições financeiras que habitualmente lideram emissões para medir a potencial demanda. O Banrisul estima que seis meses serão suficientes para estruturar a oferta. O objetivo é colocar as ações de forma pulverizada, atraindo investidores para o banco.O Banrisul divulgou hoje seu resultado de 2006, quando obteve retorno de 27,9% sobre o patrimônio líquido. O patrimônio líquido encerrou o ano em R$ 1,295 bilhão. O lucro líquido, que cresceu 2,78% no ano passado, para R$ 361,7 milhões, foi influenciado pela expansão da carteira de crédito, de 6,8%, e pela ampliação de serviços, disse Lemos. A carteira comercial de crédito encerrou o ano com R$ 4,2 bilhões.Lemos lembrou que o serviço de débito eletrônico Banricompras movimentou R$ 2,1 bilhões no ano passado, com 40,8 milhões de transações. O lucro do ano passado foi recorde, mas o mais relevante foi ter sido gerado em um ambiente de queda de juros, avaliou o executivo.Na segunda-feira, Yeda confirmou a permanência de Lemos na presidência do banco, mesmo cargo que ocupou no governo Germano Rigotto (PMDB), apesar da pressão contrária do vice-governador do Rio Grande do Sul, Paulo Feijó (PFL). Feijó entregou a Yeda uma carta com críticas a Lemos e supostas denúncias, cujo conteúdo não foi divulgado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.