BB espera queda no custo de captação para voltar a emitir no exterior

O Banco do Brasil (BB) vai aguardar novas reduções nos custos de captação no exterior para voltar a emitir títulos nos mercados externos. "Apesar de menor, o custo destas emissões ainda é maior que o pago nas nossas captações usuais no exterior", comentou o vice-presidente de Finanças do BB, Aldo Luiz Mendes, após participar de encontro da Associação de Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec). O BB, de acordo com Mendes, tem hoje nos depósitos de poupança de brasileiros residentes no Japão, Portugal e Estados Unidos uma fonte barata de recursos externos. "A nossa poupança em Portugal e nos Estados Unidos tem crescido muito", disse. Além disso, o banco vem conseguindo manter o acesso às linhas de financiamento externo para o comércio exterior. "Os bancos continuam nos ofertando estas linhas a um custo baixo", disse. Por estas razões, ele afirmou que o banco encontra-se hoje numa situação confortável. "Do ponto de vista da liquidez interna e externa, estamos num momento muito confortável", afirmou. Mendes acrescentou que, por este motivo, uma eventual emissão de títulos no exterior teria como objetivo principal apenas melhorar a curva de vencimentos dos papéis do banco negociados em mercado. "É um assunto que está sempre em análise. Mas eu diria que não há nada para o curto prazo", afirmou. O vice-presidente do BB acrescentou que, se fosse emitir títulos nos mercados externos, o banco certamente optaria por fazer um lançamento em reais. "Com um lançamento em reais, não precisaríamos fazer uma operação de hedge. Isto, por si só, já reduziria em muito o custo da emissão", comentou. Aliado há isso, ele lembrou que hoje há uma forte demanda nos mercados internacionais por ativos em reais. A última vez que o BB realizou uma emissão de títulos foi no início de 2006, quando captou cerca de US$ 500 milhões com o bônus perpétuo.

Agencia Estado,

10 Abril 2007 | 08h47

Mais conteúdo sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.