BC americano desencadeia rali das Bolsas de NY

As Bolsas em Nova York tiveram uma tarde de rali depois que o banco central dos EUA (Federal Reserve, ou Fed) deixou os juros inalterados pela sexta reunião, sem acenar com o fantasma de uma futura alta nas taxas. Numa mudança significativa, o Fed suavizou o viés de aperto ao se referir a "futuros ajustes de política" que dependerão dos dados de crescimento e inflação, sem especificar um aumento dos juros como fez no passado. No comunicado de hoje, o Fed retirou a menção de eventual necessidade de alguma "firmeza adicional" da política. O índice Dow Jones subiu 159,4 pontos (1,30%), para fechar em 12.447,5 pontos, depois de chegar a subir 192,35 pontos e retornar brevemente a território positivo no ano. No encerramento, a queda do Dow Jones no ano ficou em apenas 0,1%. Desde o início da semana, o Dow Jones subiu 337,11 pontos, ou 2,8%, melhor desempenho em três pregões consecutivos desde meados de junho de 2006. O Nasdaq avançou 1,98% e o S&P 500 subiu 1,71% e os dois índices voltaram a acumular alta no ano. Segundo analistas, os investidores podem ter se animado também com o que o Fed não disse. Quando o Fed declinou em fazer referência direta à questão do "subprimes, os investidores inferiram que o problema das hipotecas concedidas a clientes de maior risco não é percebido pelo banco central como uma ameaça imediata à economia, disse o analista Michael Malone, da Cowen & Co. Sobre o mercado de moradias, o Fed disse que "o ajuste no setor está em andamento". "Eu acho que a sugestão de que a economia provavelmente se expandirá a um ritmo moderado nos próximos trimestres foi vista positivamente", disse Malone. "Havia alguma preocupação no mercado em relação ao crescimento econômico". Sobre a outra variável chave de sua política, o Fed disse que a inflação está "um tanto elevada". Segundo o estrategista-chefe de mercado do Hartford, Quincy Krosby, a mensagem do Fed foi "bem equilibrada". "Eles asseguraram ao mercado de ações que vão cortar o juro? A resposta é não", alertou. O comunicado mostrou que "o Fed ainda depende muito dos dados e estará olhando tanto para futuras pressões inflacionárias, que eles acreditam que vão se dissipar, mas também vão centrar foco no crescimento econômico", disse Krosby. Para ela, o comunicado não foi "hawkish" (agressivo) nem "dovish" (moderado). Entre os destaques de alta, Morgan Stanley subiu 6,9%, após anunciar que seu lucro líquido no primeiro trimestre fiscal cresceu 70%, para o nível recorde de US$ 2,67 bilhões, com o banco de investimento se beneficiando da receita que inclui fortes resultados de hipotecas. Oracle subiu 3,5%, reagindo ao anúncio, ontem, de aumento de 35% no lucro do terceiro trimestre fiscal para US$ 1,03 bilhão. As ações da Adobe Systems ganharam 6,3% após o anúncio de aumento de 37% no lucro líquido para US$ 143,9 milhões no seu primeiro trimestre fiscal. Alcoa, com baixa de US$ 0,22 para US$ 33,85, foi o único dos 30 integrantes do Dow Jones que terminou em baixa. O Prudential Equity Group rebaixou as ações da produtora de alumínio de overweight para neutro e cortou as estimativas de lucro até 2009, prevendo o crescimento significativo na produção da China e custos específicos mais altos da companhia. As ações financeiras como American Express (+2,2%), Citigroup (+2,7%) e JP Morgan (+1,32%) lideram os ganhos do índice. O índice Dow Jones fechou em alta de 159,42 pontos, ou 1,30%, em 12.447,52 pontos. A mínima foi em 12.263,51 pontos e a máxima em 12.480,45 pontos. O Nasdaq subiu 47,71 pontos, ou 1,98%, e fechou com 2.455,92 pontos; a mínima foi de 2.405,39 pontos e a máxima foi de 2.455,92 pontos. O Standard & Poor's 500 subiu 24,10 pontos, ou 1,71%, para 1.435,04 pontos. O Nyse Composite fechou em alta de 159,46 pontos, ou 1,74%, para 9.317,73 pontos. O volume negociado na Nyse somou 1,63 bilhão de ações, de 1,46 bilhão de ações ontem; 2.733 ações subiram, 586 caíram e 132 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume subiu para 2,238 bilhões de ações negociadas, de 1,783 bilhão de ações ontem, com 2.259 ações fechando em alta e 766 em queda. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.