BC da Coreia do Sul vê necessidade de medidas para lidar com entrada de capital

No longo prazo, autoridade monetária deve desenvolver o mercado de câmbio para garantir que as taxas  não flutuem amplamente durante períodos curtos de tempo

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

27 de outubro de 2010 | 09h20

O presidente do Banco da Corea, o banco central da Coreia do Sul, Kim Choong-soo, disse que o governo precisa preparar medidas para lidar com eventuais problemas decorrentes da forte entrada de recursos no país. "Tendo em vista a experiência passada, não temos outra opção a não ser nos preocuparmos com os problemas que a entrada de capital traz para a administração macroeconômica", afirmou Kim em discurso preparado para uma seminário com empresários europeus em Seul.

"No longo prazo, devemos desenvolver o mercado de câmbio para garantir que as taxas de câmbio não flutuem amplamente durante períodos curtos de tempo, em consequência de grandes oscilações no fluxo de capital", disse.

Kim afirmou que seria adequado considerar opções macro de prudência para moderar o volume de entrada de capital e que a nação poderia tentar mitigar os riscos potenciais, embora não possa resolvê-los totalmente.

Os comentários sugerem que o governo está testando a reação do mercado. Na semana passada, o vice-ministro para Estratégia e Finanças,  Yim Jong-yong, disse que o governo estava em busca de possíveis medidas para reduzir a volatilidade do fluxo de capitais, mas que um eventual plano só ocorreria após o encontro de cúpula de novembro dos líderes do G-20. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.