Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

BCE estende a mão, mas bolsas de NY cedem na abertura

Resultado das operações de refinanciamento do BCE reforçou cautela dos mercados

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado,

21 de dezembro de 2011 | 12h45

O resultado das operações de refinanciamento de longo prazo anunciado hoje do Banco Central Europeu (BCE), no lugar de animar, reforçou a cautela dos mercados e as bolsas nova-iorquinas devem abrir em ligeira queda no pregão de hoje. Às 12h45 (de Brasília), o Dow Jones cedia 0,41%, o S&P tinha queda de 0,53% e o Nasdaq perdia 1,40%.

O BCE alocou 489,191 bilhões de euros para 523 bancos, acima das expectativas dos analistas de 310 bilhões de euros. Mesmo assim, o mercado acha que isso não será suficiente para amenizar a crise da zona do euro.

Nos EUA, a disputa entre republicanos e democratas segue como uma grande pedra no caminho da recuperação do país e para a administração do presidente Barack Obama. Ontem, como se esperava, a Câmara dos Representantes dos EUA rejeitou uma proposta do Senado para prorrogar por mais dois meses o corte de impostos aplicados sobre a folha de pagamentos e também o benefício do auxílio-desemprego aos norte-americanos que já receberam o seguro pelo prazo máximo. O benefício fiscal termina em 31 de dezembro e, se nenhum acordo for atingido nos próximos dias, os trabalhadores do país voltarão a pagar 6,2% de imposto, no lugar dos atuais 4,2%.

"Menos dinheiro nos bolsos das pessoas será um obstáculo ao gasto do consumidor", comentou o economista-chefe da Rockwell Partners, Peter Cardillo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.