Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Blue chips pesam e Bovespa recua 0,42%

Com o resultado de hoje, o índice teve sua primeira semana de queda em dezembro, de 3,67%

Claudia Violante, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2011 | 18h25

A volatilidade marcou o último pregão da Bolsa paulista nesta semana e o principal índice à vista titubeou até cravar a pontuação final. O exercício de ações sobre ações foi sentido principalmente nas blue chips, que oscilaram ora em alta ora em baixa, ditando o comportamento do Ibovespa.

No final, a Bovespa terminou com variação negativa de 0,42%, aos 56.096,93 pontos. Na mínima, o índice registrou 56.087 pontos (-0,43%) e, na máxima, os 56.823 pontos (+0,87%). Com o resultado de hoje, o índice teve sua primeira semana de queda em dezembro, de 3,67%. No mês, acumula perda de 1,37% e, no ano, de 19,06%. O giro financeiro totalizou R$ 5,366 bilhões. Os dados são preliminares.

"Se não fossem as blue chips, o mercado teria tido um desempenho melhor", comentou Hersz Ferman, gestor da Yield Capital, ao analisar o desempenho negativo de Vale e Petrobras. Os melhores momentos do Ibovespa passaram pela recuperação dessas ações. No final, Petrobras caiu e Vale subiu.

Petrobras ON, -1,13%, PN, -0,98%, Vale ON ficou estável e Vale PNA, 0,24%. Na Nymex, o contrato do petróleo para janeiro terminou com queda de 0,36%, a US$ 95,53 o barril.

Em parte do dia, a Bolsa doméstica acompanhou o sinal positivo emitido pelas bolsas norte-americanas, onde o desempenho estável da inflação no varejo em novembro contribuía para mais um dia de ganhos. Também agradou a notícia de que houve um acordo para evitar a paralisação do governo dos EUA, bem como a decisão da Fitch de não rebaixar o rating da França.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespablue chipsFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.