Blue chips puxam alta de 0,5% e Xangai bate recorde

A valorização de algumas blue chips impulsionou a Bolsa de Xangai, na China, onde os principais índices bateram novos recordes de fechamento. Os ganhos, porém, foram limitados pelas realizações de lucros com alguns pesos-pesados da bolsa. O Xangai Composto subiu 0,5% e, aos 3.071,23 pontos, bateu o segundo recorde de fechamento consecutivo. O Shenzhen Composto avançou 0,4%, para 808,56 pontos, terceiro recorde seguido. Segundo Zhang Yongpan, analista da Sealand Securities, os ganhos provavelmente estão relacionados ao futuro lançamento do mercado futuro na bolsa chinesa. O aumento da demanda por blue chips estaria ligado à necessidade de os operadores fazerem hedge para os derivativos. Entre as ações mais negociadas, China Petroleum & Chemical aumentou 3,9%, China Merchants Bank avançou 1,2% e Baoshan Iron & Steel fechou com alta de 1,1%. Pressionadas por realizações de lucros, as ações da incorporadora China Vanke recuaram 2,8% e as do Bank of China caíram 1,3%. No mercado cambial chinês, o yuan teve mais um dia de alta frente ao dólar, influenciado pela forte queda da moeda norte-americana diante do euro após a reunião do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA). Segundo os operadores, a expectativa do mercado é que o yuan acelere sua valorização nas próximas sessões. A paridade central baixou para o menor nível desde a revalorização de julho de 2005, caindo para 7,7310 yuans por dólar, de 7,7355 yuans por dólar na quarta-feira. No sistema automático de preços, a moeda norte-americana caía para 7,7275 yuans às 4h25 (hora de Brasília), de 7,7341 yuans no fechamento de ontem. No mercado de balcão, o dólar recuava para 7,7273 yuans às 4h13, contra 7,7340 yuans no fechamento de ontem. Nas demais bolsas asiáticas, o resultado da reunião do Fed - o banco central americano, que manteve em 5,25% a taxa de juros do país, com uma mensagem que indica "viés de baixa" - animou os investidores, graças à expectativa de que a política monetária norte-americana comece a se afrouxar. O desempenho das empresas do setor de construção civil continuaram a garantir a alta na Bolsa de Hong Kong depois da decisão do Fed de manter a taxa de juros inalterada. O índice Hang Seng fechou nesta sessão 0,9% superior ao de ontem, totalizando 19.690,25 pontos. O fechamento positivo daquelas companhias compensou as baixas das peso-pesados Hutchison Whampoa e China Mobile após divulgarem resultados em linha com as expectativas. Entre as construtoras, New World Development subiu 2,4%; Sun Hung Kai Properties ganhou 2% e Cheung Kong fechou em alta de 2,4%. Em contraste, Hutchison Whampoa perdeu 0,1%, depois de um ganho de 3,1% ontem. No meio do dia, o conglomerado divulgou aumento de 40% em seu lucro em 2006, com uma pequena perda em seus negócios de telefonia móvel de terceira geração. "O resultado da Hutchison ficou em linha com as previsões do mercado, então os investidores venderam as ações que compraram antes da divulgação do balanço", disse Ben Kwong, diretor da KGI Asia. "Isso foi o que aconteceu também com China Mobile, com os investidores comprando antes da divulgação dos resultados e vendendo depois da publicação." China Mobile fechou em baixa de 1,4%. Ontem cedo, a empresa divulgou crescimento de 23% em seu lucro líquido em 2006 por conta de forte aumento no número de novos assinantes. Kerry Properties, que anunciou salto de 53% em seu lucro líquido de 2006, também recuou, fechando em baixa de 0,9%. Na Bolsa de Taipé, em Taiwan, o índice Taiwan Weighted subiu 0,9%, somando 7.823,67 pontos. As ações das empresas produtoras de cimento, que haviam sofrido fortes baixas ontem, e as do setor de transporte, impulsionadas pelas companhias de frete marítimo, lideraram a alta. Taiwan Cement subiu 1,9% e Asia Cement, 3,1%. Chinese Maritime Transport alcançou o limite diário de valorização, de 7%, e Taiwan Navigation avançou 5%. Na Coréia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul fechou com alta de 0,4%, aos 1.448,53 pontos. No entanto, apesar do ambiente favorável criado pela reunião do Fed, ?os investidores não saíram às compras de forma agressiva?, observou Joseph Han, analista da Daewoo Securities. Ele lembrou que ainda pairam sobre o mercado as preocupações com as medidas que o governo chinês pode adotar para esfriar a economia. Além disso, há o receio de que uma redução dos juros nos EUA leve ao desmonte das operações de ?carry trade? em iene no segundo trimestre. Destacaram-se no pregão a SK Corp., maior refinaria do país, que subiu 5,7%. Hynix Semiconductor ampliou os ganhos de ontem e avançou mais 2,7%. A siderúrgica Posco teve alta de 1,7%. Na Bolsa de Sydney, na Austrália, o índice S&P/ASX 200 fechou com um ganho de 1,6%, aos 5.955,70 pontos, seu maior nível em três semanas. BHP Billiton subiu 1,7%, Westfield Holdings ganhou 3,1% e CSL Ltd. saltou 4,1%. Sigma Pharmaceutical teve alta de 5,3% depois que o Macquarie Equities elevou a classificação do papel, para ?outperform? (acima da média do mercado). Em Manila, nas Filipinas, o índice PSE Composto da Bolsa fechou com alta de 2,8%, aos 3.178,32 pontos. Os analistas prevêem que os investidores começarão a realizar lucros e que o volume de negócios diminuirá até o feriado da Páscoa. Philippine Long Distance Telephone Co. (PLDT) teve valorização de 5,6%, Megaworld Corp. saltou 6,7% e Ayala Land Inc. ganhou 1,6%. A alta nos mercados asiáticos impulsionada pelo resultados positivos em Wall Street também levou a Bolsa de Jacarta, na Indonésia, a fechar em alta. O índice JSX Composto subiu 1,7%, aos 1.809.06 pontos, também devido à estabilidade da moeda local. A peso-pesado Telkom subiu 2,7% na expectativa de que a companhia de telecomunicações obtenha forte lucro em 2006 devido ao aumento da receita pelos serviços de telefonia celular e depois que suas ADRs subiram 1,2 em Nova York. BCA teve alta de 3% depois de divulgar aumento de 17% em seu lucro em 2006. O índice Strait Times da Bolsa de Cingapura fechou em alta de 2%, aos 3,219,51 pontos. Foi a quarta alta consecutiva do índice e deveu-se, também, à manutenção da taxa de juro dos EUA inalterada pelo Fed. Operadores esperam que os negócios ainda se mantenham de lado ou com leve alta nas próximas sessões, com alguns investidores retomando o otimismo em meio a um sentimento ainda de cautela. "A alta de hoje deveu-se ao Fed, mas alguns investidores continuarão a comprar se virem oportunidades", disse um trader. Entre os principais papéis negociados, CapitaLand subiu 3,3%; City Developments ganhou 5,9%. Bancos também ganharam, em parte por conta da decisão do Fed. DBS Group Holdings fechou em alta de 2,3%; United Overseas Bank avançou 2,9% e OCBC terminou 0,6% acima do fechamento de ontem. O índice composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, encerrou o pregão em alta de 1%, aos 1.221.72 pontos, com forte volume de 2,97 bilhões de ações negociadas por investidores estrangeiros interessados em papéis de imobiliárias, blue chips e construtoras. Bursa ganhou 4, 7%, MRCB saltou 11,9%e UEM World avançou 11%. Tebrau Teguh fechou 13% acima do preço de ontem. O índice SET da Bolsa de Bangcoc (Tailândia) subiu 0,8%, aos 674,84 pontos, com negócios fracos compostos de uma combinação de ganhos com blue chips e compras especulativas de ações baratas. Entre os papéis mais negociados, a gigante do petróleo PTT subiu 1%, TMB Bank ganhou 6,7% e a firma de construção Italian-Thai Development teve alta de 1,7%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.