BM&FBOVESPA avalia metodologia do índice Bovespa

A BM&FBovespa tem um grupo de estudo para reavaliar a metodologia do Índice Bovespa. De acordo com o presidente da Bolsa, Edemir Pinto, o trabalho começou há oito meses e deve ser encerrado no fim deste mês. O executivo considera remota uma mudança drástica na metodologia do Ibovespa, que vem sendo questionada diante do grande peso que a OGX, de Eike Batista, alcançou nos últimos meses. Apesar de valer centavos atualmente, o papel da companhia ganhou relevância no índice devido à forte oscilação e volume de negócios.

MARIANA DURÃO, Agencia Estado

04 de julho de 2013 | 17h17

"Mexer num índice que tem 45 anos tem muito risco", disse Edemir. Ele admitiu ajustes, mas que seriam implementados em um período mais longo, de dois a três anos. Também podem vir a ser criados novos índices.

A reavaliação do índice inclui análise do período de validade da carteira, que hoje é quadrimestral. Outra questão se refere a um gatilho para frear a negociação de ações que passem a valer muito pouco. No exterior, em alguns casos, há mecanismos que obrigam as companhias a fazer grupamentos para reduzir o giro dos papéis. Nenhum dos pontos, entretanto, está definido.

Edemir afirmou que, no momento, a regra não muda. Isso significa que nada impede que as empresas X - OGX, LLX e MMX - continuem a fazer parte do índice na próxima revisão da carteira do Ibovespa, em 1º de setembro. "A regra é clara e não muda", brincou.

O estudo da Bolsa se baseia em casos internacionais. De acordo com Edemir, o início do trabalho se deu pelo caso da Mundial. O papel da empresa passou a ter uma liquidez extraordinária, que não refletia o valor real do negócio. A companhia queria ir ao Novo Mercado, o que passou a gerar desconfiança no mercado financeiro. Mais tarde, ficou comprovada fraude e o caso, que ficou conhecido como Bolha do Alicate, chegou à Justiça.

Tudo o que sabemos sobre:
BM&FBovespaEdemir

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.