BNDES aprova crédito de R$ 940 mi para expansão da Comgás

A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou hoje financiamento de R$ 940 milhões para a Companhia de Gás de São Paulo (Comgás). Em nota enviada à imprensa, o BNDES informa que os recursos serão destinados a investimentos em expansão, modernização e reforço da rede de distribuição de gás canalizado e fazem parte do plano trienal da empresa, previsto para o período entre 2006 e 2008.O apoio do banco equivale a 67% do total orçado para o projeto, de R$ 1,4 bilhão. Este aporte permitirá, segundo a nota, maior qualidade ambiental na região metropolitana de São Paulo e no interior, graças à substituição de fontes energéticas altamente poluidoras.Além disso, os investimentos também possibilitarão a diversificação da matriz energética local, redução de custos de transporte e armazenamento de combustíveis para clientes e expansão da infra-estrutura no Estado. A ampliação da rede de gás canalizado será voltada para o fornecimento aos setores industrial, automotivo e de co-geração na região metropolitana de São Paulo, Vale do Paraíba, Baixada Santista, Bragança Paulista, Campinas, Jundiaí e de mais municípios do Estado de São Paulo pertencentes à área de concessão da empresa.O BNDES salienta ainda na nota que um mérito do projeto reside nas novas oportunidades comerciais que podem surgir, "justificando a aceleração dos investimentos em determinada região ou mesmo a construção de novas redes em municípios ainda não atendidos pela Comgás"."A estratégia permitirá a substituição de investimentos planejados que deixaram de ser atraentes economicamente", diz a nota. Além do financiamento atual, o BNDES já aprovou três outras operações para a companhia, no valor total de R$ 740 milhões. A Comgás, uma sociedade anônima de capital aberto, controlada pelo grupo BG, planeja aumentar significativamente a rede já existente em Campinas, ao construir a parte restante do anel de alta pressão em torno do núcleo urbano.Com o mesmo objetivo, a empresa deve estender suas operações na Baixada Santista, região ainda não atendida, e também à área em torno da rodovia Castelo Branco, a partir da expansão de rede de alta pressão já existente e ramificações voltadas ao atendimento, principalmente, de clientes industriais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.