BNDES obtém US$ 335 mi do KFW para energia renovável

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou ter assinado nesta segunda-feira, 21, em Berlim, um empréstimo no valor de US$ 335 milhões com o banco alemão KfW. Os recursos, captados pelo banco de fomento brasileiro, serão utilizados no financiamento de projetos de usinas eólicas a serem implantadas no País, por empresas brasileiras.

DANIELA AMORIM, Agência Estado

21 de julho de 2014 | 16h26

Segundo o BNDES, a operação é a maior já feita pelo banco de desenvolvimento alemão no Brasil. O empréstimo, assinado pelo presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e por Norbert Kloppenburg, membro do conselho de administração do KfW, visa atender à demanda por financiamentos de projetos destinados à geração de energia a partir de fontes alternativas, auxiliando na diversificação da matriz energética brasileira, declarou o banco brasileiro, em nota.

O programa inclui contrapartida em igual valor e deve atender à demanda por energia de cerca de três milhões de consumidores brasileiros, disse o BNDES. A primeira operação para apoio a usinas eólicas, nos mesmos moldes da contratada com banco alemão, foi celebrada em 2009. Um contrato de US$ 136 milhões forneceu recursos de apoio a quatro projetos, com capacidade instalada total de 119,65 MW e investimentos da ordem de R$ 685 milhões.

A última captação de recursos do BNDES com o banco alemão foi realizada em 2010, no valor de US$ 68,4 milhões, para projetos de implantação de pequenas centrais hidrelétricas no Brasil.

O KfW é um grupo financeiro controlado em 80% pela República Federal da Alemanha e em 20% pelos seus Estados federados. Foi criado em 1948, com o objetivo de financiar projetos de reconstrução da economia alemã no pós-guerra. A parceria entre BNDES e KfW teve início na década de 1960 e já resultou em 13 contratos, incluindo o que foi firmado hoje.

Tudo o que sabemos sobre:
BNDESKFWenergia renovável

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.