Bolívia quer elevar preço do gás vendido pela BG à Comgás

Resolvido o conflito sobre os preços do gás vendido para a Petrobras e para a térmica de Cuiabá, o governo da Bolívia vai trabalhar agora para aumentar o preço das exportações feitas pela britânica BG à Comgás. Segundo a Agência Boliviana de Informações (ABI), o objetivo é alinhar o valor das exportações, atualmente em US$ 3,4 por milhão de BTU (unidade térmica britânica), ao vigente nos outros dois contratos que o País tem com o Brasil, em torno dos US$ 4,20 por milhão de BTU."Há poucos dias informamos ao presidente da República que, como todos os contratos anteriores eram privados, até agora estavam debaixo da mesa. Um contrato que se chama Comgás, que também vai ao Brasil, está com os preços abaixo das expectativas do governo", disse à ABI o ministro dos Hidrocarbonetos, Carlos Villegas. A subsidiária boliviana da BG exporta cerca de 500 mil metros cúbicos por dia à distribuidora paulista, onde a companhia britânica detém participação acionária. O contrato, que não tem relação com as importações feitas pela Petrobras, foi motivo de disputa entre a BG e a estatal brasileira, que não queria permitir que a multinacional usasse capacidade ociosa do Gasoduto Bolívia-Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.