Bolsa atinge maior nível desde outubro de 2013

Ibovespa retoma altura dos 55 mil pontos; parte dos ganhos é atribuída à decisão de política monetária dos EUA

Claudia Violante, Agência Estado

18 de junho de 2014 | 17h29

 A Bovespa retomou o patamar de 55 mil pontos nesta quarta-feira, 18, e registrou seu maior nível desde o final de outubro passado. A sessão foi marcada, principalmente, pelo resultado do encontro de política monetária de dois dias do Federal Reserve

Em meio à leitura de que nada muda por lá por enquanto, a Bovespa firmou a trajetória positiva iniciada na hora do almoço - depois de algum sobe e desce pela manhã.

O Ibovespa terminou o pregão com alta de 1,66%, aos 55.202,54 pontos, na máxima do dia e no maior nível desde 23 de outubro do ano passado (55.440,03 pontos). Na mínima, registrou 54.046 pontos (-0,47%). No mês, acumula ganho de 7,74% e, no ano, de 7,17%. O giro financeiro totalizou R$ 15,975 bilhões, engordado pelo exercício. Os dados são preliminares. 

Petrobrás ON teve ganho de 3,64% e PN, de 3,71%, Vale ON subiu 1,41%, PNA, +1,37%, Itaú Unibanco PN, +1,37%, impulsionados, entre outros fatores, pelo vencimento do Ibovespa futuro e opções sobre o índice. 

Outro fator que impulsionou Petrobrás e também Eletrobras (ON +3,26% e PN +2,07%) foram as especulações com a pesquisa Ibope que será divulgada amanhã. Ontem e ainda hoje pela manhã, os papéis das estatais foram alvo de venda após rumores de que a presidente Dilma Rousseff (PT) subiu nas pesquisas, mas nesta tarde os investidores preferiram não correr o risco de perder uma possível alta nas ações de estatais e compraram esses papéis.

Sobre a Petrobrás, vale registrar que o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, informou hoje que o governo está estudando a ampliação de 25% para 27,5% na mistura de álcool na gasolina. 

A decisão do Federal Reserve também contribuiu para o avanço do Ibovespa, com a valorização firme das bolsas lá fora servindo de referência ao mercado doméstico. O índice Dow Jones fechou com alta de 0,58%, aos 16.906,62 pontos, o S&P 500 avançou 0,77%, aos 1.956,98 pontos, e o Nasdaq subiu 0,59%, aos 4.362,84 pontos. O Fed manteve os juros próximos de zero e reduziu as compras mensais de bônus em US$ 10 bilhões (para US$ 35 bilhões), como esperado, além de cortar suas projeções de crescimento para este ano e revelar que a maioria dos membros do comitê vê um aumento dos juros um pouco mais forte do que se pensava em 2015 e 2016. Houve, no entanto, revisão para baixo das projeções de crescimento e de taxas de juros de prazo mais longo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.