Bolsa cai com correção da Petrobras e tensão na Ucrânia

O Ibovespa terminou a sessão com queda de 0,53%, aos 56.188,05 pontos

ÁLVARO CAMPOS, Estadão Conteúdo

07 de agosto de 2014 | 18h00

A Bovespa fechou em queda nesta quinta-feira, 7, com pesos pesados do índice devolvendo parte dos ganhos registrados ontem com as especulações sobre a pesquisa Ibope que será divulgada hoje. As tensões geopolíticas com a crise na Ucrânia também colaboraram para a cautela, derrubando os mercados europeus e contaminando Nova York. Mesmo assim, o vencimento do Ibovespa futuro na próxima semana, com os estrangeiros ainda bastante comprados, ofereceu certo suporte, colaborando para manter o índice à vista acima dos 56 mil pontos.

O Ibovespa terminou a sessão com queda de 0,53%, aos 56.188,05 pontos. Ao longo do pregão, oscilou entre a mínima de 55.985,49 pontos (-0,89%) e a máxima de 56.922,92 pontos (+0,77%). O giro financeiro ficou em R$ 6,52 bilhões. Na semana, o índice ainda acumula ganho de 0,51%, enquanto no mês a alta é de 0,64%. Os destaques de alta foram Oi (+3,10%), Ultrapar (+2,47%) e Sabesp (+2,44%). Já no campo negativo, BM&FBovespa (-2,72%), Santander (-2,06%) e Gol (-1,88%) lideraram as quedas. Entre as blue chips, Petrobras (ON -1,26% e PN -0,79%), Vale (ON -0,63% e PN - 1,06%) e Itaú (-0,89%) caíram.

"Com certeza existe uma influência da pesquisa eleitoral na Petrobras, mas essa realização de lucro hoje é totalmente normal após a forte alta de ontem", disse Fernando Goes, analistas da Clear Corretora. Ele lembrou ainda que amanhã sai o resultado da estatal e que as expectativas são positivas. Os analistas ouvidos pelo Broadcast esperam lucro de R$ 6,9 bilhões no segundo trimestre, uma alta de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Hoje, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou que a produção de petróleo e gás natural no Brasil em junho atingiu 2,79 milhões de barris de óleo equivalente (BOE) por dia, uma alta de 2,5% em relação ao mês anterior. O volume corresponde a um aumento de 2,6% frente a maio e de 6,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. Do total, 90,4% da produção de petróleo e gás natural no País veio de campos operados pela Petrobras. Além disso, a presidente da agência, Magda Chambriard, elevou de 500 milhões para 2,5 bilhões de barris recuperáveis a projeção para as reservas no pré-sal da área pau-brasil.

Outro fator que colaborou para a queda da Bovespa hoje foi a tensão na Ucrânia, com a ameaça da uma invasão pela Rússia e a adoção da sanções pelos russos contra os EUA e a Europa. Neste cenário, a Bolsa de Londres perdeu 0,58%, Paris recuou 1,36% e Frankfurt teve retração de 1,00%. Em Nova York, o índice Dow Jones perdeu 0,46%, o S&P 500 recuou 0,56% e o Nasdaq caiu 0,46%.

No mercado de câmbio, a tensão na Ucrânia impulsionou a busca por segurança, favorecendo o dólar. Após a moeda no balcão fechar com alta de 1,06%, por volta das 17h20 o dólar para setembro avançava 0,94%, a R$ 2,3120. Esse movimento puxou junto os juros futuros, que na sessão estendida continuavam em alta, com o DI para janeiro de 2016 a 11,48%, ante 11,42% de ontem, e o janeiro 2017 a 11,77%, ante 11,71%.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespa@estadaoconteudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.