Bolsa chinesa fecha em alta pela sétima sessão seguida

O temor de um arrefecimento da economia dos EUA, que ontem divulgou queda inesperada nas vendas de imóveis, contaminou os mercados asiáticos, que comportaram-se sem uma direção homogênea. Os negócios em geral foram tímidos. As vendas de novas residências nos EUA caíram inesperadamente em fevereiro para seu menor ritmo em sete anos, provocando receios sobre o efeito disso na economia global, disseram operadores. A procura de blue chips por fundos de ações e as expectativas de bons ganhos fizeram com que o mercado da China registrasse sua sétima alta consecutiva nesta terça-feira. O índice Xangai Composto subiu 0,5%, para 3.138,83 pontos. O Shenzhen Composto registrou aumento de 1%, aos 841,48 pontos, sua sexta alta seguida. A boa performance do mercado de ações tem feito com que pessoas físicas continuem a investir seu dinheiro em fundos. A blue chip Citic Securities avançou 1,8%; Air China subiu 5,9% e Shanghai International Port (Group) fechou 9,8% acima do registrado ontem. Hua Xia Bank teve alta de 2,4%, mas outros bancos caíram em razão da realização de lucros. Shanghai Pudong Development Bank recuou 2% e China Merchants Bank registrou queda de 0,6%. Shenzhen Development Bank teve baixa de 0,9%. O desapontamento com os dados sobre a venda de imóveis nos EUA fizeram o dólar cair em relação ao euro, o que também ajudou o yuan a ter ligeira valorização sobre a moeda americana. O dólar foi cotado hoje a 7,7338 yuans no sistema automático de preços, ante 7,7400 yuans no fechamento de segunda-feira. Preocupações sobre o impacto da desaceleração no mercado imobiliário dos EUA levaram a Bolsa de Hong Kong a fechar em baixa após seis sessões de alta. O índice Hang Seng recuou 0,3%, aos 19.706,79 pontos. Os investidores aguardam ainda o depoimento do presidente do Fed (o BC americano), Ben Bernanke, ao Comitê Econômico Conjunto do Congresso, onde falará sobre sua opinião e orientação do cenário econômico à luz da crise do mercado de crédito "subprime" (de alto risco de inadimplência) e dos déficits comerciais. O banco HSBC, que está exposto ao mercado de financiamentos imobiliários subprime, teve baixa de 0,3% nesta sessão. China Mobile recuou 1,5% e Hutchison Whampoa declinou 0,7%. China Unicom foi a blue chip que teve o maior ganho, de 4,1%. Analistas esperam que a companhia anuncie, quinta-feira, crescimento de 17% em seu lucro em 2006 devido à melhora na gestão de custos. Na Bolsa de Taipé, o índice Taiwan Weighted caiu 0,4% , para 7.845,17 pontos, já que os investidores decidiram realizar lucros depois da alta acumulada de 1,8% nos quatro pregões anteriores. TSMC perdeu 1,1% . O índice do setor de construção recuou 1,3% e o do setor de comida teve baixa de 2,2%. As ações da siderúrgica Posco e do banco Kookmin, que nos últimos pregões tiveram fraca performance, foram destaques, ajudando a Bolsa de Seul, na Coréia do Sul, a fechar em ligeira alta. O índice Kospi subiu 0,2%, para 1.453,23 pontos. "As preocupações sobre o número de empréstimos para o financiamento da compra da casa própria nos EUA estão diminuindo, mas o mercado está agora falando sobre a possibilidade de vendas no mercado chinês, caso o governo de lá estabeleça regras para esfriar a bolsa", disse Joseph Han, analista da Daewoo Securities. Posco fechou em alta de 1,3%. As ações da siderúrgica haviam caído 2% nos dois últimos pregões, após a Arcelor Mittal ter informado não estar interessada em adquirir a empresa coreana. Kookmin subiu 0,9%, depois de cair 2,4% em quatro sessões, e Shinhan Financial Group recuperou 1,7%, após ter perdido 5,5% em dois pregões. Hanwha Chemical teve alta de 2,1%, com a expectativa de que possa se tornar uma holding. Daewoo Engineering & Construction's caiu 1,3% e GS Engineering & Construction, 1,1%. O índice PSE da Bolsa de Manila, nas Filipinas, subiu 0,8%, para 3.174,75 pontos, em um pregão com grande volume de negociações. A alta foi liderada pelos papéis da Philippine Long Distance Telephone Co., que tiveram alta de 1,8% depois da valorização de seus ADRs ontem. Semirara Mining Corp. avançou 4,6% com o pagamento de dividendos e o anúncio de novos projetos. ?Este é o típico padrão do mercado antes da Páscoa?, disse Francisco Liboro, presidente da PCCI Securities Brokers, "Esperamos que essa tendência continue até depois da próxima semana.? O mercado australiano sofreu retração nesta terça-feira. Segundo os operadores, esse movimento foi resultado da reação nervosa de Wall Street à queda das vendas de casas nos EUA e também à especulação de que o banco central possa elevar a taxa básica de juros na próxima semana. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney caiu 0,4% para 5.964.2 pontos. Empresas cuja performance é mais sensível a taxas de juros e ao câmbio estiveram entre os piores desempenhos do dia. Billabong teve baixa de 3,7%; Macquarie Goodman caiu 3,2% e Foster perdeu 1,8%. James Hardie recuou 3,2% e Rinker Group teve baixa de 1,4%. BHP Billiton teve baixa de 0,8% e Rio Tinto subiu 1%. Woodside Petroleum registrou aumentou 2,1%, depois que os preços do petróleo superaram os US$ 62,70 ontem. Fortescue Metals avançou 4,2%, estimulado pelo acordo de fornecimento de minério de ferro para a chinesa BaoSteel. ERA Resources teve alta de 5,1%. Indiferente às preocupações dos demais mercados com o efeito da queda nas vendas de residências nos EUA, a Bolsa de Cingapura fechou em alta, com o índice Strait Times subindo 0,9%, para 3.234,1 pontos. Mesmo assim, operadores mantiveram a cautela e acreditam em uma correção ainda. Os maiores ganhos entre as empresas que compõem o índice foram a construtora Wing Tai Holdings, que subiu 6%, e a negociadora de commodities Olam International, com alta de 4,3%. Chartered Semiconductor subiu pelo segundo dia devido a especulações de que possa ser alvo de oferta de aquisição pela estatal Temasek. Chartered avançou 2,7% e somou alta de 9,7% em dois dias. City Developments saltou 2,1%. O índice Composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur (Malásia) encerrou em alta de 0,2%, aos 1.247,17 pontos, depois de uma sessão volátil com fundos governamentais ajudando a sustentar o mercado apesar das pressões de vendas das ações de primeira linha. Gamuda subiu 3,1%, Tebrau avançou 32,1%, após o Citigroup ter revisado o valor justo do papel, enquanto Iris saltou 25,8% após fechar um contrato milionário na França. O índice JSX composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, encerrou em alta de 0,3%, aos 1.819,66 pontos, por conta da alta da peso-pesado Telkom, que subiu 1% devido às expectativas de que a companhia pague altos dividendos em 2006. A indústria de alimentos Indofood avançou 4,1% depois de anunciar substancioso lucro no ano passado. Realizações de lucros fizeram a companhia de cimento Gresik cair 1,2%. O dia foi de poucos negócios na Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, por causa da ausência de fatos novos positivos que incentivassem os investidores. Segundo analistas, o mercado só deve se reanimar após a reunião do banco central, em 11 de abril, quando se definirá a taxa de juros da economia. O índice SET ficou na estabilidade, recuando 0,1%, para 678,57 pontos. Entre os principais papéis negociados, Bangkok Bank subiu 0,9%, PTT Exploration & Production ganhou 0,6% e Siam Commercial Bank caiu 1,4%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.