Bolsa de Buenos Aires fecha em alta de 7% à espera de acordo para evitar calote

Segundo os investidores, a longa duração das conversas entre o governo argentino e os credores sinaliza que um acordo pode acontecer

Altamiro Silva Júnior, correspondente, Agência Estado

30 de julho de 2014 | 12h50

NOVA YORK - A bolsa de Buenos Aires fechou em forte alta de quase 7% nesta quarta-feira, 30, na expectativa de um acordo entre o governo argentino e credores para evitar a quebra do país. 

Fonte ouvidas pelo Wall Street Journal afirmam que as ações subiram porque a longa duração das conversas na terça-feira entre as partes envolvidas na questão sinaliza que um acordo pode acontecer. "Os investidores acreditam que a duração da reunião indica algo, que eles vão encontrar uma solução", disse Peter Lannigan, operador da corretora CRT Capital Group LLC.

O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, está reunido na tarde desta quarta com o advogado Daniel Pollack, mediador designado pelo juiz federal Thomas Griesa para as negociações entre a Casa Rosada e os fundos credores dos Estados Unidos sobre a dívida do país. Ele chegou ao escritório por volta das 12h (de Brasília) e não há previsão de término do encontro.

Na chegada, Kicilloff não falou com a imprensa, apenas sinalizou que poderia dar declarações depois da reunião. Pollack passou rapidamente pela entrada cheia de jornalistas de várias partes do mundo e disse apenas que tem a esperança de um acordo ser alcançado.

Termina nesta quarta o prazo para a Argentina pagar US$ 1,3 bilhão aos fundos dos EUA chamados de "holdouts", conforme sentença da Suprema Corte dada em 16 de junho. O limite para o pagamento será às 18h (de Brasília), quando fecham o mercado financeiro e bancário em Nova York. Sem pagar este valor, o país não pode pagar outros US$ 539 milhões aos fundos que aderiram à reestruturação de sua dívida em 2005 e 2010, conforme a determinação de Griesa.

Kicillof chegou a Nova York na tarde de terça, vindo da Venezuela, e foi direto para a reunião com Pollack, que durou cerca de cinco horas, acabando pouco depois da meia-noite. Em rápida entrevista, o ministro disse que o tema está sendo discutido com "seriedade", mas não deu outros detalhes das negociações.

A reunião de ontem foi a primeira em que o governo argentino sentou à mesma mesa que os representantes dos "holdouts". Até então, as duas partes vinham tendo conversas separadas com Pollack. 

(Com Dow Jones)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.