Bolsa de Londres atinge a máxima dos últimos 5 anos

O corte acima do previsto na produção de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) projetou as ações das companhias produtoras européias para cima, que aliado ao fechamento recorde acima dos 12 mil pontos do índice Dow Jones da Bolsa de Nova York ontem, sustentava as bolsas de valores européias em alta esta manhã. A Opep decidiu que irá reduzir em 1,2 milhão de barris ao dia sua produção (a previsão era que o corte fosse de 1 milhão de barris). Em Londres, o índice FT-100 atingiu o maior nível em cinco anos graças ao desempenho positivo dos papéis da BP e da Royal Dutch Sheel, que subiram 1% cada. O índice chegou a 6.199,90 pontos e às 8h59 (de Brasília), o FT-100 operava a 6.153 pontos. Em Paris, o índice CAC-40 operava em alta de 0,24%; em Frankfurt, o índice Xetra-DAX, registrava ganho de 0,39%. As ações das companhias mineradoras também sobem forte, já que os metais seguem em tendência de alta. Em Londres, as ações da BHP Billiton e da Rio Tinto subiram mais de 2%. Entre outros papéis em destaque na Europa nesta sexta-feira estão os da Corus Group, que caíram 1,5%, depois de a empresa receber a proposta formal de compra pela indiana Tata Steel por cerca de US$ 8 bilhões. Os papéis da Valeo, fabricante de peças de automóveis francesa, subiram 6,8%, recuperando parte das perdas de 10% nas sessões precedentes. A empresa divulgou queda de 76% em seu lucro trimestral e concordou em vender sua unidade de motores elétricos e acionadores por valor não revelado. A Valeo previu que a produção de automóveis deverá se estabilizar na Europa durante o quarto trimestre e cair 5% nos EUA. A empresa também previu estabilização nos preços de matérias-primas. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.