Bolsa de Londres cai 0,19%; Paris - 0,96%

A Bolsa de Londres fechou com o índice FT-100 em queda de 11,10 pontos (0,19%), para 5.833 pontos. Traders disseram que o mercado foi pressionado por uma realização de lucro, com os investidores embolsando os ganhos dos últimos meses. Além disso, a fraca abertura de Wall Street pesou contra os resultados acima das expectativas divulgadas por algumas empresas britânicas. "O mercado teve uma corrida muito boa nos últimos meses", disse Jimy Yates, trader da CMC Markets. "Talvez este seja o fim daquela tendência. As pessoas estão buscando realizar lucro antes do final do ano financeiro, portanto, há definitivamente uma pressão para baixo", acrescentou. As demais bolsas européias também registraram perdas, depois do Banco Central Europeu (BCE) ter elevado a taxa de juro básica da zona do euro e em reação aos comentários do presidente do banco, Jean-Claude Trichet, que foram interpretados como uma indicação de que aumentos adicionais no juro poderão ocorrer antes do que se esperava. Entre as blue chips, as ações da Aviva subiram 3,67%, depois da companhia ter anunciado lucros acima das expectativas em 2005. As ações da Standard Chartered fecharam em alta de 3,81%, também impulsionadas por lucros acima do esperado em 2005. Em Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 48,52 pontos (0,96%), para 5.009,09 pontos, pressionado pelos sinais de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) poderá ser mais agressiva do que se antecipava, segundo traders. A fraca abertura de Nova York também pesou sobre o mercado de ações. As ações da LVMH lideraram os ganhos, com alta de 3,66%, depois da companhia ter anunciado lucros acima das expectativas em 2005. As ações da Arcelor subiram 2,56%, sustentadas pelos comentário de seu executivo-chefe, de que a companhia estaria preparada para negociar com a Mittal Steel. As ações da Alcatel fecharam em alta de 1,21%, ainda sustentadas por rumores de fusão. A liquidação do final da tarde atingiu as ações da Vinci (-2,98%) e da Gaz de France (-2,36%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.