Bolsa de Mumbai e rupia continuam em terreno negativo

A bolsa de Mumbai e a rupia indiana mantém o ritmo de queda nesta segunda-feira. Ao longo da sessão, a moeda indiana voltou a bater a sua mínima histórica ante o dólar, mesmo com os esforços do governo do país para acalmar os investidores.

AE, Agencia Estado

19 de agosto de 2013 | 04h00

Os investidores estão cada vez mais preocupados com a maneira como a Índia se sairá em uma época de política monetária global apertada.

Há dúvidas sobre a capacidade do governo de gerir os problemas econômicos do país e aumentar a confiança dos investidores, à medida que a rupia e a economia indiana reportam enfraquecimento.

"O mercado está em pânico", disse Pramit Brahmbhatt, executivo-chefe da corretora Alpari Forex.

Mais cedo, o dólar operava a 62,44 rupias indiana, um declínio de 1,3% em relação ao registrado na sexta-feira. Já o índice caiu 1,30%, o menor nível desde abril. Na sexta-feira, a bolsa de Mumbai recuou quase 4%, a maior queda em porcentagem em quase dois anos. Em 2013, a rupia indiana caiu mais de 12%, enquanto o principal índice de ações do país recuou cerca de 5,3%.

Já o rendimento das obrigações com vencimento em 10 anos subiu para 8,99% nesta segunda-feira. Os preços dos títulos e os rendimentos se movem em direções opostas.

O primeiro-ministro Manmohan Singh tentou acalmar os investidores no final de semana, contando que o país não estava diante de uma situação como essa em 1991, quando as reservas cambiais estavam quase esgotadas e enfrentaram o risco de calote em seus pagamentos externos. O premiê indiano garantiu que a Índia tem reservas suficientes para pagar as importações por até sete meses.

Ainda assim, Nicholas Spiro, diretor da empresa de consultoria Spiro Sovereign Strategy, disse em uma nota de pesquisa que "cada nova medida para restaurar a confiança é cada vez menos eficaz em estabelecer este sentimento". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
índiabolsamoeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.