Bolsa de NY fecha em alta com aposta em ação do Fed

Parte dos negócios do dia correspondeu a ajustes de posições para o fim do mês e do trimestre

Renato Martins, da Agência Estado,

28 de setembro de 2010 | 18h14

O mercado norte-americano de ações fechou em alta, em dia de indicadores fracos, que alimentaram as especulações de que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) terá de adotar medidas para estimular a economia. As ações do setor de saúde estavam entre as que mais subiram, depois de a Walgreen, segunda maior rede de drogarias dos EUA, divulgar resultados.

Os dados de preços de imóveis residenciais, confiança do consumidor e atividade industrial na região central da costa Leste dos EUA indicaram que a economia norte-americana continua fraca. "A opinião do mercado neste momento é a de que se os indicadores forem sólidos, o mercado vai subir; e se não forem, o Fed virá com mais estímulo e então o mercado vai subir", disse o estrategista Phil Dow, da RBC Wealth Management.

Para Peter Schiff, presidente corretora da Euro Pacific Capital, "uma maneira de se livrar de dólares é usá-los para comprar ações". Ativos como ouro, títulos do Tesouro e outras moedas também tiveram boa demanda nesta terça-feira.

Operadores disseram que parte da atividade do dia correspondeu a ajustes de posições para o fim do mês e do trimestre. O índice Dow Jones acumula uma alta de 8,4% neste mês e está em via de ter o melhor setembro desde 1939.

Entre os destaques do pregão estavam as ações da Walgreen, que subiram 11,40% em reação a seu informe de resultados. Entre as componentes do Dow Jones, as ações da Pfizer avançaram 1,40%; outros destaques foram Intel (+1,40%), Alcoa (+1,16%) e Chevron (+1,00%).

O índice Dow Jones fechou em alta de 46,10 pontos (0,43%), em 10.858,14 pontos. O Nasdaq fechou em alta de 9,82 pontos (0,41%), em 2.379,59 pontos. O S&P-500 fechou em alta de 5,54 pontos (0,49%), em 1.147,70 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaqFed

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.