Bolsa de NY fecha em alta com otimismo sobre economia

O mercado norte-americano de ações fechou em alta nesta segunda-feira, 24, com o índice S&P-500 chegando ao fim do dia pouco abaixo de seu recorde de 1.848,38 pontos registrado em 15 de janeiro; a máxima intraday foi em 1.858,71 pontos. O índice agora acumula uma baixa de 0,04% desde o começo do ano, tendo se recuperado da queda de 5,8% que registrava em meados de janeiro.

Agencia Estado

24 de fevereiro de 2014 | 19h12

O índice Dow Jones fechou em alta de 105,83 pontos (0,66%), em 16.209,13 pontos; o Nasdaq fechou em alta de 29,56 pontos (0,69%), em 4.292,97 pontos; o S&P-500 avançou 11,46 pontos (0,62%), para fechar em 1.847,71 pontos.

As ações do setor de saúde subiram em reação a previsões de que os cortes de gastos públicos no setor serão menores do que se esperava (Humana +10,6%) ; as da área de energia subiram em reação à alta dos preços do petróleo (Chevron +1,3%, ExxonMobil +1,5%).

O mercado ignorou mais uma rodada de indicadores fracos: o índice de atividade regional do Fed de Dallas caiu a 0,3 em janeiro, de 3,8 em dezembro; o índice de atividade industrial nacional do Fed de Chicago caiu a -0,39 em janeiro, de -0,03 em dezembro; e o índice de atividade industrial dos gerentes de compras para o setor de serviços (versão Markit) caiu a 52,7 em fevereiro, de 56,7 em janeiro.

"As pessoas têm a esperança de que o começo da primavera traga de volta um impulso econômico normal. Tudo indica que vamos sair muito bem do derretimento do gelo", disse Ron Florance, do Wells Fargo Private Bank.

Entre os destaques da sessão estavam as ações da eBay, que subiram 1,1% depois de o investidor Carl Icahn criticar a governança da empresa e recomendar a separação do serviço de pagamentos online Paypal. As da BlackBerry avançaram 7,6%, em reação ao anúncio de que a Ford passará a usar ou sistema operacional QNX, da companhia canadense, nos sistemas de telefonia móvel de seus carros a partir de 2016. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.