Bolsa de NY fecha em baixa, dividida sobre indicadores

Os principais índices do mercado de ações dos EUA fecharam em queda, após um final de sessão volátil em que os investidores tentaram conciliar possíveis medidas de aperto monetário na China com os dados positivos sobre as economias norte-americana e chinesa.

GUSTAVO NICOLETTA, Agencia Estado

20 de janeiro de 2011 | 19h56

O Dow Jones caiu 2,49 pontos, ou 0,02%, para 11.822,80 pontos. A Caterpillar registrou uma das quedas mais acentuadas entre os componentes do índice, fechando em baixa de 2,02% após anunciar que o Departamento de Justiça dos EUA pediu informações adicionais sobre a proposta de aquisição feita pela companhia à Bucyrus International. Também recuaram ExxonMobil (-0,63%), Chevron (-0,28%) e Alcoa (-0,50%), embora Home Depot e Walmart tenham impedido um declínio mais acentuado do Dow Jones, subindo respectivamente 2,41% e +1,74%.

O Nasdaq Composite perdeu 21,07 pontos, ou 0,77%, para 2.704,29 pontos, enquanto o S&P-500 teve queda de 1,66 ponto, ou 0,13%, para 1.280,26 pontos.

As ações do Morgan Stanley subiram 4,58% depois de o banco anunciar que seu lucro cresceu 35% no quarto trimestre em relação a igual período do ano passado. O Google, que fechou em baixa de 0,79%, subia cerca de 2% no after hours após divulgar que seu lucro do quarto trimestre aumentou 29% na comparação com o resultado obtido um ano antes.

A China divulgou que a economia do país cresceu 10,3% no ano passado - mais que o previsto -, ante uma expansão de 9,2% verificada em 2009. Já o índice de preços ao consumidor acumulou alta de 3,3% em 2010, após uma deflação de 0,7% observada um ano antes. A inflação ficou 0,3 ponto porcentual acima da meta do banco central, trazendo novamente à tona expectativas de aumento nos juros chineses. Investidores, no entanto, estão preocupados com a possibilidade de um aperto monetário excessivo drenar o vigor da economia.

"O receio é com o crescente risco de inflação", disse Barry Knapp, diretor-gerente de pesquisa de ações do Barclays Capital. "Eles precisarão apertar a política monetária um pouco mais. O nível geral dos preços está subindo na China e eles precisarão adotar medidas mais significativas."

No início da sessão, as bolsas operavam em queda ainda mais acentuada por causa das preocupações com a China, mas "no desenrolar do dia as pessoas perceberam que não havia uma liquidação contínua das ações que estavam caindo e o mercado perdeu parte da pressão por um declínio", disse Stephen Lieber, executivo-chefe de investimentos do Alpine Mutual Funds. Segundo ele, a rodada de indicadores econômicos dos EUA "ofereceu suporte para o modesto otimismo". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaqChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.