Bolsa de NY mantém tom positivo na volta do feriado

Os investidores e operadores voltaram ao trabalho nos EUA, após o feriado, sem encontrarem dificuldades para manter o tom positivo do mercado acionário. Às 13h26 (de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,09%, enquanto o Nasdaq ganhava 0,48%. O S&P 500 tinha alta de 0,20%. Com a agenda leve de indicadores, o volume negociado deve melhorar após a melancolia das últimas semanas. Os preços voláteis de petróleo devem, provavelmente, manter os investidores ocupados, enquanto o imbróglio sobre o programa nuclear do Irã deve continuar dando um rumo para a commodity. Hoje, o futuro de petróleo para outubro cedia 0,71%, para US$ 68,70 por barril, na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Na semana passada, mesmo com os investidores em férias, as ações conseguiram ganhos sólidos, fundamentados na queda dos preços do petróleo e nos dados do mercado de trabalho, que não despertaram preocupações sobre inflação ou desaceleração descontrolada da economia norte-americana. Alguns analistas acreditam que o movimento ascendente do mercado acionário deve continuar. A Briefing.com, o site de análise financeira da web vinha se mostrando pouco entusiasmado com as ações, recentemente, diante das preocupações sobre inflação e juros, mas elevou a sua avaliação sobre as ações para "moderadamente bullish (otimista)" hoje. Segundo o comunicado do presidente da Briefing.com., Dick Gren, as razões para a mudança de tom "foi a redução do risco de o Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA) ir mais longe na taxa de juros, diante dos números mensais mostrando uma melhora modesta e da aparente disposição do Fed de ser paciente quanto a moderar a taxa de inflação". Amanhã, os investidores devem monitorar a divulgação do Livro Bege, resumo da economia que será usado como subsídio pelo Fed em suas decisões no dia 20 de setembro. Os dados revisados de mão-de-obra e produtividade do segundo trimestre também serão divulgados. No front do setor imobiliário, o Office of Federal Housing Enterprise Oversight informou que os preços dos imóveis nos EUA subiram à taxa mais lenta em mais de 30 anos no segundo trimestre, ante o trimestre anterior. Enquanto os preços subiram 10,06% ante o ano anterior, os preços se apreciaram 1,17% ante o primeiro trimestre de 2006, o que corresponde à menor variação trimestral registrada desde o quarto trimestre de 1999. O aumento de 1,17% dos preços no segundo trimestre ficou bem abaixo do crescimento de 3,65% nos preços do segundo trimestre do ano passado, o que representa a maior desaceleração do ritmo de reajuste em três décadas, desde o início da compilação do índice, em 1975. As ações da Inco subiam mais de 1%, após a empresa ter fechado um acordo com a Phelps Dodge para cancelar o acordo de fusão formalizado em junho. A empresa citou a oposição dos acionistas como argumento para desalinhavar o acordo. Os papéis da Phelps subiam 3,6%. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

05 de setembro de 2006 | 13h32

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.