Bolsa de NY opera em alta, mas em dúvida sobre juros

O índice Dow Jones da Bolsa de Nova York abriu em ligeira baixa (-0,01%), mas inverteu o sinal logo em seguida e avançava 0,18% a 11.295 pontos, às 11h33. Os índices futuros mantinham a indicação negativa até a abertura do pregão, após a divulgação de um dado dúbio sobre inflação no atacado nos EUA não ter dissipado a convicção de que há espaço para a continuidade do movimento de aperto monetário no país (alta dos juros). O mercado deve seguir ecoando, principalmente, as declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Ben Bernanke, e, em grau menor, a decepção provocada pelo balanço da Oracle, ontem à noite. Os mercados se acautelaram após os comentários de Bernanke, que evitou dar sinais explícitos sobre o rumo da política monetária nos EUA, mas avaliou que a recente inversão da curva das taxas de juros dos títulos do Tesouro norte-americano não seria um sinal de enfraquecimento econômico. Na avaliação de Bernanke, há um enfraquecimento do setor imobiliário, mas os gastos das famílias seguem firmes. Quanto ao índice de preços ao produtor (PPI) de fevereiro, o dado mostrou direções conflitantes. O índice de preços ao produtor caiu 1,4%, principalmente em razão do tombo dos preços da gasolina. Mas o núcleo subiu 0,3% em janeiro, acima da alta de 0,2% prevista. A Oracle também pesava nos negócios de pré-mercado. Embora a companhia de software tenha anunciado crescimento de 42% em seu lucro no terceiro trimestre fiscal, na comparação a igual período do ano passado, o aumento de apenas 4% do faturamento com licenciamento de softwares gerou desconforto. Nenhum outro indicador será divulgado hoje e o único destaque deve vir do setor corporativo, com a Nike abrindo seus números. O petróleo para abril cai 0,68%, para US$ 60,07 por barril, na Nymex eletrônica, e não cria obstáculos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.