Karen Bleier/AFP
Karen Bleier/AFP

Bolsa de NY opera em queda de olho no Federal Reserve

Os investidores têm expectativas de que a instituição dê sinais mais claros sobre quando deverá começar a elevar as taxas de juro de curto prazo

RENATO MARTINS, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Estadão Conteúdo

12 de setembro de 2014 | 15h37

As Bolsas dos Estados Unidos estão em queda, depois da divulgação de indicadores econômicos positivos. O foco do mercado é a reunião de política monetária do Federal Reserve, na próxima semana, com os investidores na expectativa de que a instituição dê sinais mais claros sobre quando deverá começar a elevar as taxas de juro de curto prazo.

As vendas no varejo cresceram 0,6% em agosto, com expansão de 5% em relação ao mesmo mês do ano passado, e as de julho foram revisadas para +0,3%, de variação zero na estimativa preliminar. O Índice de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan subiu para 84,6 na pesquisa preliminar de setembro, de 82,5 em agosto. Os preços das importações norte-americanas caíram 0,9% em agosto, com recuo de 0,4% em relação ao mesmo mês de 2013; e os estoques das empresas tiveram um crescimento de 0,4% em julho, em linha com a expectativa.

Participantes do mercado observaram que as altas dos juros dos bônus, em especial a dos títulos com taxas de retorno mais altas, poderão ter impacto negativo no mercado de ações. O índice de referência do Bank of America/Merrill Lynch para preços de bônus "junk" acumula uma queda de 0,79% nesta semana e uma baixa de 1,03% desde o começo de setembro. Nesta quinta, a Lipper informou que os fundos que investem em bônus de alto rendimento perderam US$ 766 na semana até quarta-feira, devido a retiradas de investidores, depois de um fluxo negativo de US$ 198 milhões na semana anterior.

"A debilidade no mercado de bônus de yields mais altos está ganhando mais atenção, e eu acho que é importante notar que, ao contrário do verão, estamos vendo pressão no mercado secundário, mas o calendário de grandes emissões de títulos novos também está em dificuldades. É isso o que eu estou acompanhando mais de perto; isso traz o maior risco de ter impacto no risco de crédito, em geral e nas ações. As ações de pequena capitalização estarão sob risco maior se essa debilidade continuar", disse Peter Tchir, da Brean Capital.

Entre os destaques da sessão estão as ações da Conversant, do setor de marketing digital; elas subiam 30,3% há pouco, em reação à notícia de um acordo para a aquisição da empresa pela Alliance Data Systems (+2,3%). As da Yahoo subiam 3,3%, em reação a informes de demanda forte para a oferta pública inicial de ações da chinesa Alibaba (da qual a Yahoo tem 22,4%). Entre as componentes do índice Dow Jones, os destaques são ExxonMobil (-1,3%), UnitedHealth (-1,3%), Merck (-1,2%) e Verizon (-1,1%).

Às 15h01 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 94 pontos (0,56%), para 16.954 pontos; o Nasdaq recuava 28 pontos (0,61%), para 4.563 pontos; o S&P-500 caía 14 pontos (0,71%), para 1.983 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresNYFed

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.