Bolsa de NY oscila na abertura, mas define rumo de alta

O índice Dow Jones da Bolsa de Nova York oscilou na abertura, mas definiu trajetória de alta depois de cinco minutos de pregão. Às 10h39, avançava 0,25%. O índice Nasdaq abriu em alta e mantém esse sinal, registrando ganho de 0,35% no mesmo horário. O mercado acionário norte-americano ainda tem razões para seguir positivo hoje, com a repercussão dos balanços de seis empresas componentes do índice Dow Jones - Pfizer, JP Morgan, Coca-Cola, Honeywell, United Technologies e IBM. O índice de preços ao consumidor (CPI) de março, divulgado mais cedo, mostrou alta de 0,4% no dado cheio, confirmando as previsões. Mas o núcleo subiu 0,3%, acima do aumento de 0,2% esperado, tirando um pouco do fôlego dos investidores. O petróleo também é outro fator na mesa, mas o contrato para maio está em queda de 0,38%, para US$ 71,08 por barril, na Nymex eletrônica, com realizações de lucro. O rumo da commodity dependerá dos relatórios de estoques, que sairão às 11h30. A série de balanços divulgados entre ontem e hoje favorece o clima positivo. A Pfizer anunciou que seu lucro líquido subiu para US$ 4,11 bilhões, ou US$ 0,56 por ação, no primeiro trimestre, de US$ 301 milhões, ou US$ 0,04 por ação, no ano anterior, graças aos impostos mais baixos e a medidas de redução de custos. O faturamento caiu 3,3%, para US$ 12,66 bilhões. O lucro superou as estimativas, mas o faturamento decepcionou. Os analistas previam lucro de US$ 0,53 por ação e faturamento de US$ 12,98 bilhões. Os papéis da empresa eram negociados em alta de 1,3% no pré-mercado e devem contribuir para dar suporte ao índice Dow Jones, já que é uma de suas componentes. O lucro e faturamento do JP Morgan superaram os prognósticos e seus papéis ganhavam 1,4%, no pré-mercado. O JP Morgan apresentou lucro de US$ 3,08 bilhões, ou US$ 0,86 por ação, após seu faturamento ter aumentado 12%, para US$ 15,24 bilhões. Os analistas previam lucro de US$ 0,84 por ação e faturamento de US$ 14,9 bilhões. O desempenho de seus negócios com banco de investimentos tiveram o faturamento recorde de US$ 4,7 bilhões. A Coca-Cola fechou o trimestre com lucro de US$ 1,1 bilhão, ou US$ 0,47, quando incluída um despesa de US$ 0,02 por ação relacionada às despesas não recorrentes. Excluindo esse gasto, o lucro de US$ 0,49 por ação superou as previsões dos analistas em um centavo. A empresa de bebidas ampliou seu dividendo em 11% e suas ações reagiam com alta marginal no pré-mercado. A Honeywell anunciou vendas de US$ 7,24 bilhões e lucro de US$ 436 milhões, ou US$ 0,52 por ação. Os analistas previam faturamento de US$ 7,18 bilhões e lucro de US$ 0,49. Os papéis da empresa subiam 1,29%. A United Technologies anunciou que seu lucro cresceu para US$ 768 milhões, ou US$ 0,76 por ação, em comparação com os US$ 651 milhões, ou US$ 0,64, do mesmo período de 2005. O faturamento cresceu 13%, para US$ 10,62 bilhões. Os analistas consultados pela Thomson First Call previam lucro de US$ 0,73 e vendas de US$ 10,38 bilhões. Os papéis da empresa, que estão no índice Dow Jones, subiam 2,7%. Ontem à noite, a International Business Machines Corp (IBM) anunciou crescimento de 22% no lucro líquido no primeiro trimestre, para US$ 1,71 bilhão (US$ 1,08 por ação). Esse resultado ficou acima da expectativa dos analistas entrevistados pela Thomson First Call, que estavam esperando um lucro de US$ 1,05 por ação. A receita caiu ligeiramente para US$ 20,7 bilhões no primeiro trimestre, no entanto, excluindo um item passado, as vendas ficaram estáveis em comparação com o primeiro trimestre passado. A IBM avançava 1,6% nesta manhã. Divulgados após o fechamento da sessão, os balanços da Texas Instruments e Yahoo! também superaram as previsões e seus papéis eram negociados em alta. O ponto negativo era a Motorola, cuja ação cedia 5,1%, após a fabricante dos celulares Razr ter anunciado queda do lucro, a despeito de entregar 46,1 milhões de aparelhos no trimestre. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

19 Abril 2006 | 10h44

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.