Bolsa de NY realiza lucros; Dow Jones cai 0,22%

As bolsas norte-americanas realizam lucros, com alguns investidores aproveitando o relatório com dados inconclusivos do mercado de trabalho de setembro para ajustar os preços. O índice Dow Jones fechou em nível histórico de alta nos últimos três pregões e o S&P 500 atingiu seu melhor nível em mais de cinco anos. O resultado da Micron, divulgado ontem, também favorece as vendas hoje. A empresa informou lucro e receita abaixo do esperado, provocando revisão em baixa na recomendação da Merrill Lynch para os papéis da empresa. Às 12h21 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,22% e o Nasdaq recuava 0,35%. O S&P 500 cedia 0,43%. As ações da Micron operavam em queda próxima a 10%. "A reação do mercado não é conclusiva, porque o payroll foi inconclusivo", disse um especialista. "O mercado de ações está em queda porque os números sobre o crescimento do mercado de trabalho ficaram abaixo do esperado". Mas, acrescentou, a alta do dólar sugere que os investidores do câmbio equilibram o peso da informação com a taxa de desemprego. Outros especialistas comentam ainda que a revisão em alta nos níveis de emprego oferecidos em agosto e em julho também estariam compensando o baixo crescimento das vagas em setembro. Embora a elevação de 51 mil no número de vagas criadas em setembro tenha sido inferior à previsão de alta de 125 mil dos economistas, a oferta de trabalho em agosto e julho foi superior ao que o Departamento do Trabalho havia calculado anteriormente. No mesmo horário acima, o juro dos títulos de 10 anos do Tesouro americano subia para 4,6784% ao ano e o dólar disparava 1,06% para 119 ienes. O euro caía para US$ 1,2584. Aparentemente, o mercado de Treasuries devolve parte das posições que embutiam perspectiva de o juro cair no final do ano. Como o payroll não apontou para uma direção definitiva, há interpretação de que o Fed poderia ter de manter o juro inalterado até o final do ano e observar melhor os indicadores antes de movê-lo para uma direção ou outra. Os futuros dos Federal Funds projetavam chance de 6% a 5% de corte na taxa no fim do ano. O petróleo voltou a cair, no vácuo de uma confirmação da Opep das especulações de ontem sobre corte de 1 milhão de barris na produção do grupo. Houve grande movimentação no mercado de metais preciosos depois da divulgação do nível de emprego nos EUA pela manhã, mas a commodity esteve sempre em baixa. Havia grande expectativa com o número, que em setembro, sugeriu queda na atividade, portanto, menor demanda. A queda do petróleo contribuiu. O cobre, por sua vez, subia. Às 12h14 (de Brasília), o ouro para dezembro caía 0,82% e o cobre para dezembro subia 2,50%. Com informações da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.