Bolsa de NY sobe com declaração de vice-premiê chinês

O mercado norte-americano de ações fechou em alta, com o índice Dow Jones registrando seu nível de fechamento mais alto desde 29 de agosto de 2008. O Nasdaq fechou no nível mais alto desde 28 de dezembro de 2007 e o S&P-500, no nível mais alto desde 19 de setembro de 2008.

RENATO MARTINS, Agencia Estado

21 de dezembro de 2010 | 20h03

O mercado reagiu positivamente às declarações do vice-primeiro-ministro da China, Wang Qishan, de que seu país apoia os esforços da União Europeia para a superação das turbulências provocadas pela crise da dívida. A alta foi liderada pelas ações do setor financeiro, que subiram em reação a notícias de fusões e aquisições. O mercado ignorou os informes de que a Fitch colocou a nota de classificação de risco (rating) da Grécia em revisão para possível rebaixamento e de que a Moody''s tomou medida semelhante em relação a Portugal.

Segundo Jordan Smyth, da Edgemoor Investment Advisors, o mercado continua a se beneficiar da prorrogação de cortes de impostos aprovada na semana passada pelo Congresso dos EUA. "De uma maneira geral, as notícias têm sido positivas, embora temperadas pelo que está acontecendo na Europa. A virada econômica está acontecendo e devemos entrar em 2011 com um bom impulso", acrescentou.

As ações do setor financeiro subiram em reação ao anúncio da aquisição da Chrysler Financial, da Cerberus Capital Management, pelo Toronto-Dominion Bank, por US$ 6,3 bilhões (Bank of America +2,85%, American Express +1,72% e JPMorgan Chase +2,63%).

No setor de tecnologia, as ações da Adobe Systems subiram 6,02%, em reação a seu informe de resultados.

O índice Dow Jones fechou em alta de 55,03 pontos (0,48%), aos 11.533,16 pontos. O Nasdaq fechou em alta de 18,05 pontos (0,68%), aos 2.667,61 pontos. O S&P-500 fechou em alta de 7,52 pontos (0,60%), aos 1.254,60 pontos. O NYSE Composite fechou em alta de 59,14 pontos (0,75%), aos 7.906,10 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaqChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.