Bolsa de NY sobe com petróleo em queda e notícias corporativas

Os índices referenciais de Wall Street operam em alta, com os investidores reagindo à queda dos preços futuros de petróleo e a notícias sobre fusões no setor de energia. Às 11h42, o Dow Jones subia 0,45%; o Nasdaq, 0,68%, enquanto o S&P 500 ganhava 0,40%. O contrato futuro de petróleo para entrega em outubro cedia 2,5%, para US$ 70,60 por barril, na Nymex. A queda do barril de petróleo reflete o alívio provocado pelo rebaixamento, ontem, de Ernesto da categoria de furacão para a de tempestade tropical. Além disso, modelos de previsões meteorológicas sugeriam que a tempestade não deve, provavelmente, atingir a infra-estrutura de energia instalada no Golfo. Os preços do gás natural, por sua vez, cediam 10%. Todos os índices referenciais de Wall Street atingiram seus picos em um momento que coincidiu com a divulgação do dado do Federal Reserve Bank de Dallas. O índice que reflete a produção manufatureira na região subiu de 9,4 em julho para 33,9 em agosto. O índice de atividade dos negócios passou de 6,3 para 6,5 em agosto. No front corporativo, as ações da Kinder Morgan subiam 2,5%, após a companhia ter concordado em ser vendida por US$ 15 bilhões para um grupo de investidores, que tem também a participação do executivo-chefe da empresa. O grupo também acertou em assumir a dívida de US$ 7 bilhões da companhia. Os papéis da Giant Industries subiam mais de 13%, após a Western Refining ter informado que vai adquirir a empresa de refino e distribuição de produtos derivados de petróleo, por US$ 1,2 bilhão. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

28 de agosto de 2006 | 12h00

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.