Bolsa de NY sobe com venda de Boeing para China

As Bolsas norte-americanas operam em alta, favorecida pelo noticiário corporativo. Mas há grande atenção aos ganhos do petróleo e à contínua disparada dos preços das commodities, os quais podem pesar na inflação e obrigar o Fed (banco central dos EUA) a prolongar o ciclo de aperto nas taxas de juro. Hoje o Departamento de Energia dos EUA (DOE) divulgou queda acima da esperada nos estoques de gasolina, incentivando compra de posições no contrato futuro do produto. A alta da gasolina puxou os contratos futuros do petróleo. Paralelamente, o cobre voltou a bater recorde de alta. Operadores atribuíam a alta dos índices também à queda no déficit comercial dos EUA em fevereiro, para US$ 65,74 bilhões, de US$ 68,59 bilhões em janeiro. A mediana das estimativas de 21 economistas consultados pela Dow Jones/CNBC era de um déficit de US$ 67,50 bilhões. No noticiário corporativo, os destaques eram o anúncio de lucro melhor do que o esperado pelo Circuit City e de assinatura de contrato para a venda de 80 aeronaves para a China pela Boeing. Às 12h11 (de Brasília), o Dow Jones subia 0,43% e o Nasdaq registrava alta de 0,12%. As ações do Circuit City subiam 2,8% e as da Boeing ganhavam 3,9%. As informações são das agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.