Bolsa de NY sobe mais de 1% e dólar cai

As Bolsas norte-americanas e os títulos do Tesouro dos EUA reagiram positivamente ao número do ISM sobre a atividade industrial nos EUA, que caiu para 55,2 em março, de 56,7 em fevereiro. Economistas esperavam que o índice subisse para 58 em março, tendo em vista a forte apreciação do índice de atividade industrial da Associação dos Gerentes de Compras de Chicago, divulgado na sexta-feira. O dólar, em contrapartida, caiu com o dado, o qual diminui a pressão para que o Fed (banco central dos EUA) continue elevando as taxas de juro. Mas investidores parecem ter ignorado o componente de preços do relatório, assim como a disparada a nível recorde nos gastos com construção em fevereiro nos EUA. O índice que avalia os preços do ISM subiu de 62,5 em fevereiro para 66,5 em março. Os gastos com construção subiram 0,8% em fevereiro, acima da previsão de alta de 0,5%, para o patamar recorde de US$ 1,185 trilhão. Às 11h45 (de Brasília), o índice Dow Jones operava em alta de 1,16% e o Nasdaq avançava 0,75%. O juro do título de 10 anos do Tesouro norte-americano reduzia a alta para 4,8789%, do nível de 4,89% operado antes dos números. O dólar ainda subia contra o iene, mas em menor proporção. Valia 118,08 ienes, de 118,27 ienes antes do dado. O euro subia para US$ 1,2093, de US$ 1,2064 antes. No mercado de câmbio doméstico, o dólar está em queda de 0,65% no pregão da Bolsa de Mercadorias & Futuros, negociado na mínima de R$ 2,151. Já a Bolsa de Valores de São Paulo operava em alta de 1,48%, a 38.514 pontos. O volume financeiro está em R$ 621 milhões, com o registro de 27.833 negócios em quase duas horas de pregão.

Agencia Estado,

03 Abril 2006 | 11h53

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.