Bolsa de NY tem alta modesta, após três dias de queda

O mercado norte-americano de ações fechou com os principais índices em alta modesta. O Dow Jones havia perdido 300 pontos nos últimos três pregões e o Nasdaq havia fechado os oito pregões anteriores em queda. "Os investidores tentaram curar-se dos golpes sofridos ao longo da semana. Esperamos que o mercado possa começar a se estabilizar a partir daqui, para iniciar um avanço sustentado", comentou Tom Galvin, da US Trust. Entre os destaques do pregão estava Advanced Micro Devices (AMD), com alta de 11,5%, depois de a Dell anunciar que planeja passar a equipar seus servidores de topo de linha com semicondutores da empresa até o fim do ano; as ações da Intel, que tem na AMD sua principal concorrente, caíram 1,55%. As da Dell, por sua vez, subiram 2,59%, depois de a empresa divulgar resultados. As da Marvell Technology, também da área de semicondutores, avançaram 13%, em reação a seu informe de resultados. Entre as componentes do Dow Jones, as ações da Disney subiram 1,9%, em reação a recomendação da Goldman Sachs. As ações da Genentech, do setor de biotecnologia, subiram 5,4%, depois de recomendação da Morgan Stanley. O índice Dow Jones fechou em alta de 15,77 pontos (0,14%), em 11.144,06 pontos. A mínima foi em 11.075,22 pontos e a máxima em 11.180,29 pontos. O Nasdaq fechou em alta de 13,56 pontos (0,62%), em 2.193,88 pontos, com mínima em 2.164,54 pontos e máxima em 2.198,66 pontos. O Standard & Poor's-500 subiu 5,22 pontos (0,41%), para 1.267,03 pontos. O NYSE Composite avançou 27,88 pontos (0,34%), para 8.176,06 pontos. O volume negociado na NYSE alcançou 2,224 bilhões de ações, de 1,840 bilhão ontem; 1.950 ações subiram, 1.354 caíram e 141 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume alcançou 2,540 bilhões de ações negociadas, de 2,064 bilhões ontem, com 1.704 ações fechando em alta e 1.332 em queda. Na semana, o Dow acumulou uma queda de 2,08% e o Nasdaq, uma baixa de 2,22%.

Agencia Estado,

19 de maio de 2006 | 18h11

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.