Bolsa de Tóquio cai 1,2%, com Líbia, petróleo e dólar

A Bolsa de Tóquio fechou em queda, uma vez que a escalada das tensões no Oriente Médio e no Norte da África, juntamente com a alta do petróleo e o enfraquecimento do dólar combinaram-se para afundar as ações das empresas exportadoras, como a TDK. Ao mesmo tempo, planos diluentes de financiamento no mercado acionário por parte da Tobu Railway e de outras empresas tiraram o entusiasmo dos investidores. O índice Nikkei 225 caiu 126,39 pontos, ou 1,2%, e fechou aos 10.452,71 pontos, fechando abaixo do nível técnica e psicologicamente importante dos 10.500 pontos.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

24 de fevereiro de 2011 | 06h49

Com esta terceira queda consecutiva - sua mais longa sequência de perdas neste ano - o Nikkei cedeu 3,7%. O índice ficou no território negativo desde a abertura, pois a fraqueza demonstrada na quarta-feira pelas bolsas dos EUA e a alta do petróleo provocada pela escalada da revolta na Líbia e em outros países da região levaram a um movimento de vendas nos futuros do Nikkei, que por sua vez ajudou a puxar para baixo o mercado à vista.

"Os investidores estiveram basicamente indiferentes ao risco desde que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) promoveu medidas de alívio quantitativo no outono passado", disse o estrategista Norihiro Fujito, da Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities. "A chegada do petróleo aos US$ 100 o barril (na Nymex) neste início de ano não tinha sido prevista." As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.