Bolsa de Tóquio cai 2% com fator China e ex-dividendos

Baixa em Wall Street e a realização de lucros derrubaram o índice

Ricardo Criez, Agência Estado

26 de setembro de 2012 | 08h18

A Bolsa de Tóquio fechou em queda acentuada nesta quarta-feira. O crescente nervosismo por causa da disputa territorial entre Japão e China, combinado com a venda sazonal de várias ações que se tornaram ex-dividendos, atingiu montadoras como Toyota Motor e Honda Motor. Já os papéis da Sony caíram 4,5%, depois de a agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixar o rating de seu crédito.

O Nikkei caiu 184,84 pontos, ou 2%, e terminou aos 8.906,70 pontos, após alta de 0,2% na sessão de terça-feira. Foi o pior fechamento desde 11 de setembro e a maior queda porcentual desde 18 de maio. O volume de negociações recuou para 1,46 bilhão de ações.

A baixa em Wall Street e a realização de lucros devido à pressão de venda dos ex-dividendos derrubaram o índice. As persistentes tensões políticas entre Japão e China adicionaram um sentimento baixista ao mercado.

"Há muita política a ser feita em todos os lados nessa disputa das Ilhas Senkaku", diz Norihiro Fujito, estrategista de investimentos sênior da Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities. "Mas, no fundo, esta é uma questão de soberania territorial e, como tal, não está sujeita a um compromisso equitativo. Esta questão poderá pairar sobre o mercado nos próximos meses." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.