Bolsa de Tóquio fecha em leve alta

A Bolsa de Tóquio fechou em ligeira alta nesta segunda-feira, sustentada por fortes compras de ações de peso, como as da Chugai Pharmaceutical e da Tokyo Tatemono.

Estadão Conteúdo

18 de agosto de 2014 | 07h28

O índice Nikkei, que reúne os papéis mais negociados na capital do Japão, subiu apenas 0,03%, a 15.322,60 pontos, ampliando para 3,7% o ganho acumulado nos últimos seis pregões. O volume de negócios, porém, continua muito fraco e totalizou apenas 1,55 bilhão de ações, o segundo menor resultado do ano.

"A inatividade de meio de verão está afetando a vitalidade do mercado, embora o feriado de Obon tenha acabado", disse o estrategista sênior da SMBC Friend Securities, Toshihiko Matsuno, referindo-se a um feriado de três dias que se encerrou na última sexta-feira. Embora a bolsa japonesa tenha operado nesse período, muitos investidores se afastaram dos negócios.

Matsuno também comentou que esperanças de que o Banco do Japão (BoJ) relaxe ainda mais sua política monetária nos próximos meses, para desvalorizar o iene e estimular compras de ações, não deverão ser satisfeitas, a menos que dados econômicos gerem dúvidas sobre o plano do banco central japonês de estimular a inflação.

Entre os destaques de hoje em Tóquio, a Chugai Pharmaceutical ajudou a evitar que o Nikkei sucumbisse à realização de lucros, saltando 15% após notícias de que o grupo farmacêutico estaria em conversações com sua controladora, a Roche, para a empresa comprar a participação de 40% que ainda não possui na Chugai. A eventual compra totalizaria cerca de US$ 10 bilhões, mas a Chugai negou a notícia.

Já a empresa do setor imobiliário Tokyo Tatemono subiu 2,9%, após ter sua recomendação elevada pela Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities, de underperform (abaixo da média do mercado) para outperform (acima da média do mercado). Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.