Bolsa de Tóquio fecha em leve queda com recuo do dólar

Após feriado da segunda-feira, Índice Nikkei encerra com perda de 0,1%, aos 14.732,61 pontos

24 de setembro de 2013 | 04h48

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em leve queda nesta terça-feira, com um dólar mais fraco e uma onda de venda em papéis do setor imobiliário. Na segunda-feira, os mercados financeiros do Japão estavam fechados devido a um feriado, fazendo com que os agentes do mercado tivessem de levar em conta duas quedas consecutivas em Wall Street, disseram traders.

O índice Nikkei fechou em queda de 0,1%, aos 14.732,61 pontos, após o recuo de 0,2% na sexta-feira. Por volta do horário de fechamento da Bolsa de Tóquio, o dólar estava em cerca de 98,90 ienes, bem abaixo dos níveis observados na sexta-feira, quando operou acima de 99 ienes.

Segundo o analista de mercado Kenichi Hirano, da Tachibana Securities, a possibilidade da redução de estímulos do Federal Reserve dos EUA e a disputa sobre o aumento do limite do déficit orçamentário dos EUA são dois fatores que pesam sobre as bolsas.

Além disso, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial avançou para o nível mais alto em seis meses, segundo dados preliminares do HSBC. Contudo, o resultado do PMI já havia sido considerado nos preços das ações, disseram traders. Assim, nesta terça-feira, a Komatsu perdeu 1,6% e a Hitachi Construction Machinery caiu 2,3%.

"Uma vez que a melhora no PMI segue a ascensão observada no mês passado, o avanço de setembro não é uma surpresa completa", disse o gestor de fundos Fumio Matsumoto, da T&D Asset Management.

Ações das principais incorporadoras imobiliárias do Japão ficaram entre os piores desempenhos entre os papéis com grande peso no Nikkei. O Deutsche Bank rebaixou os papéis da Mitsui Fudosan, Mitsubishi Estate, Tokyo Tatemono e da Sumitomo Realty & Development. Para justificar a medida, a instituição citou o aumento da probabilidade de que as taxas de juros reais deverão voltar a ficar positivas após a elevação do imposto sobre consumo, o que deverá elevar os custos dos empréstimos. As quatro empresas terminaram em baixa e perderam 2,4%, 0,6%, 4,0% e 0,4%, respectivamente.

Entre os exportadores, a Honda Motor caiu 1,0% e a Kyocera perdeu 1,4%.

Vários fornecedores japoneses da Apple superaram o mercado depois que a Apple disse na segunda-feira que vendeu nove milhões de novos iPhones nos primeiros três dias, superando as expectativas dos analistas. A Murata Manufacturing adicionou 1,5% e a Japan Aviation Electronics Industry ganhou 3,4%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.