Bolsa de Tóquio fecha em queda após recuo do dólar

Bolsa de Tóquio fecha em queda após recuo do dólar

Os números foram impulsionados por dados mais fracos do mercado de trabalho dos EUA

Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2014 | 07h54

A Bolsa de Tóquio encerrou a segunda-feira em queda após um forte movimento de venda de dólares, puxado por dados mais fracos do mercado de trabalho dos EUA divulgados na sexta-feira, incentivar a realização de lucros nas ações japonesas.

O índice Nikkei fechou em queda de 0,59%, aos 16.780,53 pontos, na sequência de uma queda de 0,5% na sexta-feira. O índice ainda permanece com alta de mais de 7% em relação ao dia 31 de outubro, quando o Banco do Japão (BoJ) surpreendeu o mercado ao anunciar uma segunda rodada de medidas de relaxamento quantitativo. O volume negociado hoje ficou em 2,05 bilhões de ações.

Depois de atingir a máxima dos últimos sete anos ao superar os 115 ienes na semana passada, o dólar perdeu força com um movimento de vendas impulsionado por dados mais fracos do que o esperado do relatório do emprego dos EUA, o payroll, revelados na última sexta-feira. No fechamento na Ásia, a moeda norte-americana era negociada a 114,13 ienes, bem abaixo dos 115,35 ienes da sexta-feira em Nova York. Apesar da desvalorização de hoje, analistas avaliam que as novas medidas agressivas de estímulo monetário anunciadas pelo BoJ devem manter a tendência de alta para o dólar contra o iene.

"O mercado de ações está super aquecido no curto prazo, fazendo com que investidores procurem desculpas para realizar lucros", disse Mitsushige Akino, gestor de fundos da Ichiyoshi Investment Management. "Uma eventual quebra do nível de 16.500 pontos no índice Nikkei não deve surpreender, o mercado precisa restabelecer um ponto de equilíbrio após a escalada do dólar", afirmou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoBolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.