Bolsa de Tóquio fecha em queda após relatório do FMI

A bolsa de Tóquio fechou em queda nesta quarta-feira, após o relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) publicado ontem que cortou a previsão de crescimento global e o recuo do dólar durante o pregão na Ásia. O índice Nikkei caiu 1,19%, para 15.595,98 pontos, e já acumula perda de 4,3% no ano. Nos últimos 12 pregões, oito registraram desvalorização.

Estadão Conteúdo

08 de outubro de 2014 | 07h04

Além da redução das previsões de crescimento, O FMI alertou para os riscos do aumento das tensões geopolíticas e correções nos mercados de ações mundiais. As bolsas de Nova York fecharam também em queda e o dólar perdeu força em relação ao iene, o que é prejudicial para os exportadores japoneses.

A moeda norte-americana chegou a recuar para o menor nível em três semanas durante as negociações na Ásia, em 107,74 ienes. No fim do pregão em Tóquio, a divisa já havia reduzido as perdas, operando a 108,40 ienes.

"Olhando apenas para os Estados Unidos, a recuperação econômica parece robusta, mas, para o mercado japonês, isso não é suficiente para compensar o pessimismo no resto do mundo, especialmente em um momento de queda do dólar", disse o analista sênior Massayuki Doshida, da Rakuten Securities.

Para Daisuke Uno, estrategista da Sumitomo Mitsui Banking, como a maior parte das altas dos últimos meses se devem à alta do dólar, "um recuo da moeda no longo prazo deve causar quedas, já que as compras baseadas nos fundamentos da economia japonesa foram tão poucas".

As ações das montadoras ficaram entre os exportadores mais afetados pelo dólar nesta quarta-feira, com a Toyota Motor caindo 1,8%, a Honda Motor recuando 1,4% e a Fuji Heavy Industries fechando com desvalorização de 2,2%. Os papéis da fabricante de peças para automóveis Aisin Seiki também foram atingidos pelo movimento e caíram 2,6%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.