Bolsa de Tóquio fecha em queda de 1,5%

A Bolsa de Tóquio fechou em queda nesta sexta-feira, com a desvalorização do dólar ante o iene levando o índice Nikkei a acumular perdas pela sexta semana consecutiva.

Agencia Estado

14 de fevereiro de 2014 | 06h52

Embora as ações de exportadoras tenham sido pressionadas pelo dólar fraco, os papéis dos setores imobiliário e financeiro mostraram desempenho ainda pior na sessão de hoje.

O Nikkei, que reúne as ações mais negociadas na capital japonesa, teve queda de 1,5%, encerrando o dia a 14.313,03 pontos, após o dólar se enfraquecer para menos de 102 ienes. O índice vem caindo a cada semana desde o começo do ano e já acumula desvalorização de 12,1% em 2014.

"As ações poderiam ter ficado numa fase estendida de consolidação, já que os últimos dados de vendas no varejo e de pedidos de auxílio-desemprego dos EUA só aumentaram a convicção de que é melhor ficar afastado do mercado do que fazer investimentos arriscados, principalmente num momento em que o dólar parece estar perdendo sustentação", afirmou Kenichi Hirano, analista de mercado da Tachibana Securities. Ambos os indicadores dos EUA, divulgados ontem, vieram piores do que o esperado.

A consequência disso, diz Hirano, é que embora ações específicas possam ser afetadas por fatores de compra e venda, "não há nenhum tema mais amplo com capacidade de movimentar os mercados no curto prazo".

Nos setores imobiliário e financeiro, as ações da Sumitomo Realty & Development caíram 4,2%, enquanto as da Daiwa Securities Group recuaram 3,2%.

O sentimento negativo em Tóquio ofuscou o balanço positivo da seguradora Dai-ichi Life Insurance, que, no entanto, conseguiu garantir alta de 1,1%. O fabricante de alimentos Ajinomoto também avançou, 3,6%, após anunciar uma recompra de ações no valor de 30 bilhões de ienes.

Já resultados e projeções decepcionantes da Kirin Holdings levaram a cervejaria a apresentar forte perda de 9,2% no pregão de hoje. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.