Bolsa de Tóquio recua 1,6% com fraco PMI da China

Mercado foi afetado ainda por dados da Samsung e baixa nos preços do petróleo

Antonio Rogério Cazzali e Ricardo Criez, Agencia Estado

20 de setembro de 2012 | 06h13

A Bolsa de Tóquio fechou em queda acentuada nesta quinta-feira. Os decepcionantes números da atividade industrial da China (PMI preliminar de setembro), a visão conservadora da Samsung Electronics sobre suas despesas e a baixa nos preços do petróleo foram fatores que, combinados, prejudicaram fortemente peso pesados como como Fanuc, Tokyo Electron, e Inpex.

O Nikkei deslizou 145,23 pontos, ou 1,6%, e terminou aos 9.086,98 pontos, após alta de 1,2% na sessão de quarta-feira, quando atingiu o melhor fechamento desde 2 de maio. O volume de negociações continuou forte, com 1,9 bilhão de ações, similar ao do dia anterior.

"Não é que o PMI chinês tenha sido tão ruim, mas ele continua a definhar abaixo do limite de expansão", disse Norihiro Fujito, estrategista de investimentos da Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities. "O sentimento geral é que o PMI pode continuar em contração por algum tempo e o impacto resultante sobre empresas japonesas que fazem negócios na China poderá ser dramático e prolongado". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.