Bolsa de Xangai lidera ganhos na Ásia e Pacífico

Bolsa de Xangai lidera ganhos na Ásia e Pacífico

O índice Xangai Composto terminou com elevação de 3,11%, aos 2.763,54 pontos, o melhor desempenho porcentual desde setembro de 2013

AE, Estadão Conteúdo

02 Dezembro 2014 | 08h09

A Bolsa de Xangai fechou a sessão desta terça-feira no maior nível em três anos, liderando os ganhos entre os mercados de ações da região da Ásia e do Pacífico. A tendência de alta na principal praça da China continental foi direcionada pelo setor bancário e por ações de corretoras, diante de expectativas de mais medidas de estímulo econômico no país.

O índice Xangai Composto terminou com elevação de 3,11%, aos 2.763,54 pontos, o melhor desempenho porcentual desde setembro de 2013. O nível de fechamento foi o mais elevado desde julho de 2011. Contagiados pelo ânimo em Xangai, o Shenzhen Composto subiu 1,48%, para 1.433,50 pontos, e o Hang Seng, de Hong Kong, ganhou 1,23%, aos 23.654,30 pontos. O índice sul-coreano Kospi, da Bolsa de Seul, avançou 0,03%, para 1.965,83 pontos.

Sinais de fragilidade no setor industrial, mostrados por dados recentes, elevaram as expectativas de novas medidas de apoio à economia da China, antes do inverno local, que normalmente reduz a produção do setor, segundo o Reorient Group. "Esses fatores fundamentais, além do petróleo bruto mais barato, estão fortalecendo o rali em ações da China, que também estão se beneficiando claramente dos catalisadores técnicos, incluindo o aumento no volume de negócios" diante da plataforma de conexão com a Bolsa de Hong Kong.

"Os investidores institucionais estão com pressa para aumentar as suas posições em ações blue-chip, como empresas financeiras", disse o analista Huang Cendong, da Sinolink Securities, que prevê uma consolidação moderada.

Para o conselheiro chefe de investimentos Tang Yonggang, na Hong Yuan Securities, "a força orientada pela liquidez no mercado de ações se estenderá e blue chips permanecem favoritas, por causa de flexibilização da política monetária e as reformas nas empresas estatais".

Entre as maiores elevações, das 19 corretoras listadas em Xangai, 10 encerram no limite máximo diário, de 10%, incluindo a Everbright Securities, a Hong Yuan Securities e a Huatai Securities. A expectativa é que as firmas se beneficiem do aumento de volume de negociações. Já os bancos ganharam terreno com esperanças de cortes na proporção exigida de compulsório.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney foi ajudada por uma melhora no valor das commodities. Os preços do petróleo, cobre, ouro e outros recursos se recuperaram na segunda-feira, após forte queda em resposta à decisão tomada na semana passada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em não cortar a produção para combater meses de preços fracos. O índice S&P/ASX 200 terminou o dia com ganho de 1,41%, aos 5.281,3 pontos, com ganhos nos setores de energia e mineração. As ações da BHP Billiton registraram ganho de quase 4% e as da Rio Tinto se elevaram mais de 2%.

Durante a madrugada, o Banco da Reserva da Austrália (RBA) decidiu manter a taxa básica de juros do país em 2,5%. A instituição financeira explica que as condições financeiras globais permanecem "muito acomodatícias" e que o mais prudente é dar continuidade à política de estabilidade da economia em curso. "A maioria dos indicadores econômicos da Austrália mostra um crescimento moderado", disse em relatório. Com informações da Dow Jones

Mais conteúdo sobre:
ÁsiaBolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.