Bolsa do Egito cai mais de 10% com onda de protestos contra presidente do país

Pelo menos mil pessoas foram presas no Egito desde terça-feira, durante os mais sérios manifestos em oposição a Hosni Mubarak em suas três décadas no poder

Regina Cardeal, da Agência Estado,

27 de janeiro de 2011 | 10h44

As ações caem mais de 10% no Egito nesta quinta-feira, após recuarem sensivelmente na sessão anterior, enquanto o custo de assegurar a dívida do país contra um eventual default (calote) subiu, em meio à escalada da tensão política por conta dos protestos contra o regime.

O mercado acionário do país, que recuou 6,1% na quarta-feira, estava em queda de 11%, em 5.648,22 pontos por volta das 9h33 (de Brasília). A onda de vendas se manteve, embora a bolsa tenha suspendido temporariamente as transações mais cedo numa tentativa de acalmar o mercado.

A Bolsa do Cairo, que apresentou o segundo melhor desempenho da região em 2010, acumula neste mês queda de mais de 20%. Ao mesmo tempo, o custo do seguro contra default da dívida egípcia subiu 31 pontos-base para 390 pontos-base nos contratos dos CDS (Credit Default Swap) de cinco anos. Antes dos protestos que derrubaram o governo da Tunísia, os CDS do Egito estavam em 240 pontos-base.

"O mercado previa alguma fraqueza de talvez 1% ou 2% por causa dos esperados protestos e do contágio da Tunísia, mas não acreditamos que qualquer participante do mercado esperava esta movimentação", disse um corretor do Credit Suisse. Ele disse que esperava mais queda, com mais "protestos organizados" amanhã.

Manifestos

Pelo menos mil pessoas foram presas no Egito desde a terça-feira, durante os mais sérios protestos contra o presidente Hosni Mubarak em suas três décadas no poder, disse um funcionário do setor de segurança nesta quinta-feira. As manifestações começaram na terça-feira, inspiradas pelo levante na Tunísia, que derrubou o presidente Zine El Abidine Ben Ali, que estava no cargo havia 23 anos.

Analistas do Citigroup disseram que, embora a turbulência política não deva causar problemas econômicos significativos no Egito, o prêmio de risco que os investidores exigem para manter ativos egípcios deve continuar acima do que estava.

Entre as ações egípcias, a Orascom Construction caía 9,3% e a Orascom Telecom recuava 8,4%. O Commercial International Bank cedia 8,9%. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.