Kimimasa Mayama/EFE
Kimimasa Mayama/EFE

Bolsa do Japão fecha o pregão na  maior pontuação em 15 anos

O índice Nikkei subiu 0,36%, para 18.264,79 pontos, atingindo o maior patamar desde maio de 2000

O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2015 | 07h31

TÓQUIO - A Bolsa de Tóquio fechou no maior nível em 15 anos nesta quinta-feira, 19, à medida que os investidores voltaram a se interessar por empresas cujo foco passou a ser crescimento e eficiência. Em outras partes da Ásia, incluindo China, Hong Kong, Coreia do Sul, Cingapura, Taiwan, Malásia, Vietnã e Indonésia, os mercados não operaram devido ao feriado do Ano Novo Lunar chinês.

O índice Nikkei, das ações mais negociadas na capital do Japão, subiu 0,36%, a 18.264,79 pontos, atingindo o maior patamar desde maio de 2000.

Há sinais de que grandes empresas japonesas, como a Canon e a Sony, estão usando seus caixas para reforçar os negócios principais e fazer aquisições, aparentemente deixando para trás as incertezas causadas pela crise financeira global de 2008 e as consequências do terremoto - seguido de tsunami - que atingiu o Japão em março de 2011.

"Estamos identificando muito mais oportunidades de crescimento (no Japão) - boas empresas que estão se desempenhando bem neste ambiente", disse Nick Niziolek, que ajuda a administrar um fundo internacional de crescimento, de US$ 800 milhões, da Calamos Investments.

O fundo, que teve exposição muito limitada ao Japão durante anos, adotou em outubro do ano passado a recomendação "overweight" (acima da média do mercado) para o país asiático pela primeira vez desde 2007, segundo Niziolek.

As empresas japonesas também são beneficiadas pela política econômica do primeiro-ministro Shinzo Abe, que ajudou a enfraquecer o iene ante o dólar e gerou inflação moderada. A moeda japonesa já perdeu cerca de um terço de seu valor desde o fim de 2012.

A Sony teve alta de 1,7% em Tóquio hoje e suas ações quase quadruplicaram desde o final de 2012. A Canon, por sua vez, acumula ganhos de 56% desde então. 

Mais conteúdo sobre:
bolsaaçõesJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.